in

Assistentes de voz ganham terreno

66% dos consumidores que já têm um assistente de voz em casa usam cada vez menos os seus dispositivos móveis, indica um estudo da Accenture. Especificamente, 64% dos utilizadores usam menos os seus smartphones para entretenimento, 58% para compras online e 56% para pesquisa de informações gerais.

As previsões do estudo sugerem que a venda de assistentes digitais por voz duplicará em 2018, em relação ao ano passado, atingindo 39% na Índia, 37% nos Estados Unidos da América, 34% no Brasil, 33% na China, 26% na Alemanha e 24% no Reino Unido.

A procura por estes produtos não é apenas crescente, mas também está a satisfazer as necessidades dos consumidores. Dois terços dos inquiridos, quase 63%, confirmam que estão interessados em adquirir um dispositivo ou que já o utilizam. Além disso, a grande maioria dos utilizadores atuais (94%) está satisfeita ou muito satisfeita com a aquisição do assistente de voz. “Os assistentes de voz digitais estão a ganhar terreno aos telefones móveis no seu papel de centro de controlo do lar“, diz David Sovie, diretor geral de High Tech da Accenture, observando que estes dispositivos de “baixo custo” oferecem benefícios “práticos e valioso” e são relativamente “fáceis” de usar.

Além dos assistentes de voz digitais, o estudo também explorou a propensão do consumidor para realidade aumentada e realidade virtual. Os resultados mostram que esse interesse do consumidor varia desde a aplicação em jogos até outras necessidades práticas da vida diária.

Assim, 67% dos consumidores consideram a realidade aumentada e a realidade virtual úteis para conhecer mais detalhes dos locais que visitarão em breve ou para aprender novas habilidades. Da mesma forma, 61% disse que seria interessante saber como ficaria uma peça de roupa ou experimentar um evento desportivo ao vivo (52%).

Publicidade

Esporão apresenta plataforma online sobre as raízes da gastronomia portuguesa

Biedronka terá cerca de 3.000 lojas e vendas de 13,49 mil milhões de euros em 2020