A democratização do acesso aos estudos de mercado

Florbela Borges, Managing Director da multidados.com

Longe vai o tempo em que fazer um estudo de mercado era algo caro, complexo e apenas para algumas empresas ou instituições com determinada estrutura ou condição.

Cada vez mais, esta é uma ferramenta útil e indispensável das empresas, permitindo acompanhar tendências e identificar necessidades que, muitas vezes, os próprios consumidores ainda não reconheceram.

É possível desenvolver vários tipos de estudos, que estão maioritariamente dependentes de duas variáveis, a quantitativa, onde se inserem as pesquisas por telefone, online e presenciais, e a qualitativa, que envolve os focus groups e clientes mistério.

Algumas empresas optam por um misto destas duas tipologias de estudo, de forma a identificar a opinião do consumidor sobre determinado serviço ou produto a uma escala considerável. Mais do que detetar tendências ou novas necessidades, como referi inicialmente, isto pode ser muito útil para perceber se a estratégia que a empresa tem seguido até aqui está a funcionar, se os consumidores/clientes estão satisfeitos com o que estão a oferecer.

Um exemplo a considerar, neste caso, é a metodologia utilizada no Prémio Cinco Estrelas, que se baseia num método de pesquisa qualitativa e quantitativa multicliente onde são recolhidos dados sobre uma ampla variedade de temas comuns, como a satisfação pela experimentação, a relação preço-qualidade, o nível de recomendação, a confiança na marca e a inovação.

A metodologia inclui um conjunto de vários estudos ou fases, incluindo focus group, com determinados perfis de consumidores devidamente selecionados. Na Fase 1 do processo decorrem os testes de experimentação; na Fase 2, testes personalizados e adaptados a cada situação (desde testes cegos de produto, visitas de cliente mistério a inquéritos de satisfação de clientes); e, por último, na Fase 3, o estudo de mercado massificado e direcionado ao consumidor final das marcas.

Estes estudos garantem uma solução de research económica para quem pretende informações concretas dos seus produtos/marca e do mercado, com a garantia de uma pesquisa de metodologia robusta que permite uma ampla versatilidade de utilizações.

Variáveis a conhecer ou identificar, como a notoriedade ou intenção de compra, são possíveis de alcançar com a participação neste sistema de avaliação, assim como é possível aceder a outro tipo de informações, como avaliar a penetração de um determinado produto, serviço ou marca; identificar atributos e/ou características de um determinado produto, serviço ou marca; avaliar o nível de conhecimento de um determinado produto e dos produtos concorrentes; investigar e compreender as motivações do consumidor para a escolha de um determinado produto, serviço ou marca e identificar o perfil de clientes atuais e potenciais de um determinado produto, serviço ou marca.

Neste caso em concreto, além destas vantagens para o cliente/marca existem outras, como a redução de custos face a uma pesquisa exclusiva, uma vez que os custos associados são compartilhados, com garantia de uma amostra representativa da população, podendo esta ser uma opção para empresas com budgets mais limitados.

Todas estas mais valias colocam esta ferramenta – os estudos de mercado – acessível a qualquer empresa. Se tivermos em consideração que muito da inovação se deve à junção do conhecimento com a oportunidade, facilmente percebemos que estudar os nossos consumidores, os nossos clientes, é não só perentório, mas também possível.

 

Florbela Borges

Managing Director da multidados.com  

P&G adquire empresa de cuidados femininos Billie

Automatização traz os clientes de volta às lojas físicas