in

82% dos trabalhadores voltam ao escritório em 12 a 18 meses

escritórios

A Xerox Corporation acaba de publicar os resultados de uma pesquisa de mercado, onde revela que 82% da força de trabalho prevê, em média, regressar ao local de trabalho entre 12 a 18 meses.

Outro dado muito relevante é que 34% dos decisores de TI estão a desenhar projetos para acelerar a transformação digital das organizações, reforçando a convicção de que é geralmente nos momentos de maiores desafios que as empresas operam as maiores transformações. O que não estava previsto era que a força impulsionadora dessa mudança fosse a maior pandemia da era moderna.

Ainda e segundo este estudo recente, não é de todo surpreendente que, na preparação para o regresso ao local de trabalho tradicional, as empresas estejam a investir em novos recursos e ferramentas para suportar uma força de trabalho que passará a ser híbrida e que estará num misto de trabalho remoto e no escritório. Os dados recolhidos apontam para que exista um aumento de 56% nos orçamentos de tecnologia como resultado da situação causada pela pandemia da Covid-19.

“Future of Work”

“Future of Work”, o estudo da Xerox, foi realizado pela empresa de pesquisa independente Vanson Bourne, que entrevistou 600 decisores de TI nos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Alemanha e França, em organizações com, pelo menos, 500 funcionários.

Os entrevistados relataram desafios causados pela súbita transição para o trabalho remoto, com 72% a confirmar que não estavam totalmente preparados do ponto de vista da tecnologia. Além da tecnologia (29%), os pontos mais negativos durante o período de teletrabalho foram a quebra da comunicação entre equipas/colaboradores (26%) e a dificuldade em manter o foco (25%).

Embora não haja dúvida de que a pandemia da Covid-19 mudou a forma como trabalhamos, a nossa pesquisa descobriu que, com o tempo, muitas empresas pretendem ter a maioria dos colaboradores de volta ao ambiente de escritório. Isto porque consideram que existem vários benefícios, incluindo a melhoria da comunicação e maior velocidade na tomada de decisões”, afirma José Esfola, diretor geral da Xerox Portugal. “Ao mesmo tempo, a saída repentina do local de trabalho físico e a passagem para o teletrabalho expuseram lacunas tecnológicas que exigem investimentos novos ou adicionais nos próximos meses”.

Principais resultados

As empresas planeiam voltar a ter a maioria dos colaboradores no escritório, embora as políticas de teletrabalho tenham vindo para ficar. 33% dos entrevistados afirmaram que, antes da imposição do trabalho em casa, a segurança e a privacidade da rede/dados eram a maior preocupação com uma força de trabalho remota e 24% indicou ser a produtividade dos colaboradores que preocupava. Para 16%, o maior desafio era a infraestrutura tecnológica.

Essas preocupações, juntamente com a crença de 95% dos entrevistados de que a comunicação pessoal é importante para o desenvolvimento pessoal e para o desenvolvimento de talentos, a generalidade dos entrevistados acredita que o trabalho remoto generalizado não substituirá o trabalho realizado no local de trabalho mais tradicional.

No entanto, agora que as empresas estão mais à vontade com o trabalho remoto, as atitudes e políticas dos decisores de TI estão a mudar, com 58% a planear mudar as políticas de teletrabalho e programando, desde já, a necessidade de apoiarem uma força de trabalho híbrida (num misto de teletrabalho e de trabalho no escritório).

Teletrabalho

A rápida transição para teletrabalho foi difícil para a maioria das empresas, com apenas 28% a confirmar que estavam totalmente preparadas e 29% a indicar que a tecnologia foi ou ainda é o seu maior desafio.

Mas existiram mais dificuldades. 35% dos entrevistados afirmaram que os seus principais desafios foram o suporte remoto de TI, 26% indicou que a dificuldade maior foi ter as soluções inadequadas de fluxo de trabalho, 22% apontou não ter as ferramentas de comunicação e colaboração necessárias e 10% concluiu que não ter soluções baseadas na Cloud impossibilitou o acesso à informação e o trabalho colaborativo.

Infraestrutura de impressão

O estudo realizado revelou que 85% dos líderes ou decisores de negócios perderam o acesso ao uso das suas impressoras de escritório, tornando visível a necessidade das empresas procurarem investir em novas tecnologias capacitadas com recursos adicionais.

As prioridades de compra de tecnologia estão a mudar para melhor apoiar os colaboradores.
Como resultado das lacunas tecnológicas evidenciadas por ter uma força de trabalho principalmente remota, 70% dos decisores de TI estão a reavaliar os seus investimentos em recursos que permitam a utilização ou acesso remoto ou híbrido (de utilização remota e no escritório).

A relevância da utilização da Cloud tomou igualmente um novo impulso, com 65% das empresas a colocarem essas soluções nas prioridades dos investimentos, com destaque para o software de colaboração (52%).

Hardware, como laptops e impressoras, será alvo de outra avaliação importante, pois as empresas consideram-no ferramentas essenciais quando se trata de tecnologia, produtividade e experiência geral de trabalho.

Sobrevivência

Empresas diversificam produtos, mercados e canais de venda para sobreviver

Digitalização

Digitalização ajuda empresas a sobreviver à crise