Reino Unido
in ,

Acordo com o Reino Unido gera novos riscos

Após um longo período de incertezas, o Acordo de Livre Comércio entre o Reino Unido e a União Europeia representa um marco positivo para o tecido empresarial, em comparação com a alternativa de encerrar o período de transição sem acordo, o que significaria a entrada em vigor das normas comerciais previstas pela Organização Mundial do Comércio.

O acordo prevê um comércio de mercadorias livre de tarifas, mas apenas regulamenta o intercâmbio de serviços, que representa cerca de 80% da economia britânica e 45% do seu comércio externo.

O texto, que mantém o Tribunal de Justiça da União Europeia fora do acordo comercial, contém, no entanto, importantes concessões britânicas sobre o reconhecimento das suas obrigações financeiras para com a União Europeia, o tratamento da fronteira irlandesa e a concorrência em igualdade de condições. O tratamento dos direitos de pesca, onde ambas as partes modificaram as suas posições iniciais, tem gerado grande preocupação junto do sector pesqueiro.

 

Nova relação comercial

De acordo com a análise da Crédito y Caución, a nova relação comercial vai gerar o aparecimento de custos económicos adicionais e de desafios logísticos para o tecido empresarial. O maior impacto deste aumento nas barreiras comerciais será sentido no Reino Unido, onde os efeitos da Covid-19, juntamente com os novos atritos comerciais, devem causar um aumento acentuado nas insolvências, em 2021.

Na União Europeia, o impacto será menor. O maior risco concentra-se na Irlanda, devido aos laços estreitos. Noutros parceiros comerciais importantes, como a Bélgica, Holanda ou Dinamarca, o efeito sobre as insolvências será mais limitado. Por sectores industriais, o automóvel, têxtil e de tecnologia de ponta podem ser afetados significativamente.

Desde os primeiros dias de janeiro, o tráfego portuário diminuiu em relação ao ano anterior. A longo prazo, mantêm-se as preocupações logísticas devido às dificuldades de acesso à documentação de trânsito, num contexto de revisão do software por parte da autoridade alfandegária do Reino Unido.

Aos atrasos na alfândega junta-se a necessidade de envio de um teste Covid negativo por parte dos transportadores. A complexidade do novo contexto aumenta a importância de uma estratégia sólida de gestão do risco comercial nas relações de negócio com clientes do Reino Unido.

asos

Asos compra Topshop, Miss Selfridge e HIIT por 300 milhões de euros

Montiqueijo

Montiqueijo lança edição especial São Valentim