in

Coca-Cola empodera 6 milhões de mulheres em 10 anos

Este ano, o Dia Internacional da Mulher assumiu especial relevância para a Coca-Cola porque, em 2020, superou a meta e empoderou economicamente 6,07 milhões de mulheres em todo o mundo, 1,15 milhões na Europa, dentro da sua iniciativa global 5by20.

Depois de um ano em que a pandemia destacou os desafios pela frente enquanto sociedade, a Coca-Cola tem trabalhado no seu compromisso de promover a diversidade, a inclusão e o talento feminino para construir uma sociedade melhor. Só em 2020, conseguiu empoderar 1,47 milhões de mulheres em todo o mundo.

 

Portugal

Em Portugal, a Coca-Cola, junto com o seu engarrafador Coca-Cola European Partners, contribuiu para o cumprimento deste compromisso global através do programa BORA Mulheres, uma iniciativa pensada para fomentar o espírito empreendedor nas mulheres e ajudá-las a materializar as suas ideias de negócio relacionadas com o sector da alimentação e bebidas, ou mesmo com um projeto emergente já em andamento.

Através desta colaboração e do trabalho conjunto, durante os últimos dois anos, cerca de 500 mulheres portuguesas tiveram acesso a duas edições de cursos intensivos, onde as participantes tiveram a oportunidade de descobrir ferramentas e desenvolver habilidades para realizar as suas ideias ou fazer crescer um projeto.

Na Coca-Cola, estamos muito orgulhos com os resultados da iniciativa 5by20. Não só atingimos os nossos objetivos mundiais, como os ultrapássamos. E, mais do que nunca, num contexto como o que vivemos atualmente, é muito importante enveredar esforços e trabalhar no sentido da promoção da igualdade de oportunidades. Estamos no bom caminho, mas sabemos que ainda existem muitas dificuldades a serem ultrapassados no caminho pela igualdade plena. E, enquanto Coca-Cola, vamos continuar a contribuir positivamente para a mudança”, destaca Sandra Vera-Cruz, diretora geral da Coca-Cola Portugal.

Publicidade

desperdício alimentar

17% dos alimentos disponíveis para consumo é desperdiçado, diz a ONU

76,4% dos consumidores não está de acordo com o aumento das restrições dos produtos de origem vegetal