in ,

Mercado de livros recupera significativamente

Foto Shutterstock

A venda de livros em Portugal recuperou algum fôlego, depois de ter registado uma queda abrupta devido à pandemia provocada pela Covid-19. Os dados são da GfK que analisou as vendas em oito países da Europa e no Brasil, nos primeiros nove meses deste ano.

França registou um recorde na queda dos livros, mas está agora em significativa recuperação. Espanha, Suíça, Bélgica (Valónia) e Portugal registaram aumentos nas primeiras semanas de 2020, no entanto, durante as restrições provocadas pela Covid-19, as vendas colapsaram em mais de metade dos países, sendo que alguns não foram capazes de recuperar de imediato, mesmo na fase pós-confinamento, como é o caso da Valónia (-1%) e Portugal (-15,8%).

Por outro lado, na Suíça, as receitas aumentaram consideravelmente, nos últimos meses, e as perdas globais chegam agora apenas a 2,9%. Também em Espanha e em Itália, as perdas nos primeiros nove meses diminuíram para 11% e 3,8%, respetivamente, após terem sido mobilizados esforços no verão para se recuperar o terreno perdido.

Os mercados de livros na região da Flandres, na Holanda e na Bélgica passaram pelo período de confinamento relativamente ilesos e, no final de setembro, chegaram mesmo a registar aumentos. O Brasil é, atualmente, o único país não europeu na análise, com uma descida de 37,6% provocada pelo confinamento e um atual aumento de 9%, com quedas globais de 6,1%.

 

Ficção continua a destacar-se

No que diz respeito aos livros mais vendidos, o romance mais popular na Europa é, atualmente, “The Enigma of Room 622”, de Joël Dicker, que se classificou em primeiro lugar em França e em Espanha, em segundo em Itália e Valónia e em terceiro em Portugal nas listas de livros mais vendidos desde o final do confinamento. Muito procurados são também autores de best-sellers como Lucinda Riley (“The Seven Sisters”), Stephenie Meyer (“Midnight Sun”), Elena Ferrante (“The Lying Life of Adults”) e Suzanne Collins (“The Ballad of Songbirds and Snakes”).

Além do segmento de ficção, vários livros de não ficção são muito populares, como por, exemplo, “Sapiens: A Brief History of Humankind”, de Yuval Noah Harari, e “Humankind: A Hopeful History”, de Rutger Bregman, bem como livros de culinária/dieta, como “The Keto Cure”, de Pascale Naessen, guias de gestão pessoal, como “The Subtle Art of Not Giving a F * ck”, de Mark Manson, e livros infantis, como “Wild Will”, de Ingrid e Dieter Schubert.

Este estudo baseia-se nas vendas de livros em lojas físicas nos primeiros nove meses de 2020, na Bélgica (Flandres/Valónia), Brasil, França, Itália, Holanda, Portugal, Espanha e Suíça.

Publicidade

OrangeBee

Portugal vence competição europeia de eco-inovação alimentar

Titan

AkzoNobel pretende reforçar o seu negócio das tintas com a aquisição da Industrias Titan