in

KuantoKusta lança plano de branding para angariar 20 parceiros até 2020

O KuantoKusta lançou um plano de “branding” que visa angariar 20 parceiros até 2020 que, em conjunto, promovam ações e eventos junto dos consumidores finais para uma maior notoriedade das marcas e um reforço da sua penetração no mercado nacional.

Queremos 20 parceiros connosco com o mesmo posicionamento estratégico no mercado e que partilhem dos mesmos valores”, explica Cristina Pereira, diretora de marketing do KuantoKusta.

Como exemplo desta nova dinâmica de “branding”, foi também anunciada a primeira parceria resultante desse plano da marca com a empresa portuguesa de cervejas artesanais Nortada. “Abordámos a Nortada porque é uma marca muito dinâmica, pois organizam eventos dentro e fora de portas e têm localização muito privilegiada, no centro da cidade do Porto. Achámos que fazia sentido juntarmo-nos a esses eventos e convidá-los a juntarem-se aos nossos”, adianta aquela responsável.

Com esta nova parceria, ambas as empresas vão partilhar as comunicações, as campanhas e eventos uma da outra. “Ficámos extremamente contentes quando fomos abordados pelo KuantoKusta para o desenvolvimento de uma parceria, porque acreditamos que existe um sem número de sinergias que podem ser criadas. Neste momento, para além de estarmos a trabalhar para colocar a nossa marca à venda no KuantoKusta, estamos já a desenvolver futuras ativações de marca conjuntas. Estamos seguros de que esta parceria trará grandes mais valias para ambas as marcas e que este é o início de uma relação duradoura”, reforça Pedro Mota, CEO da Fábrica de Cervejas Portuense (Cerveja Nortada).

Ambas as marcas já anunciaram também um evento conjunto, nomeadamente a organização de um torneio do FIFA20, em setembro, no Porto.

Quem quiser comprar cervejas Nortada no KuantoKusta, poderá fazê-lo brevemente, uma vez que estamos a fazer as configurações necessárias para colocar a marca online”, garante Cristina Pereira.

PepsiCo compra a Pioneer Foods para crescer em África

E.Leclerc arrisca-se a multa de 117 milhões de euros