in ,

Cerveja bate recordes da última década

Foram 1.460 milhões de euros e 473 milhões de litros no último ano. A categoria de cervejas continua a ser a mais valiosa dos bens de grande consumo.

No primeiro semestre do ano, o crescimento da categoria é de 19% em valor e 15% em volume, muito acima da evolução média dos bens de grande consumo. Este foi o maior crescimento de cervejas da última década, de acordo com os dados da Nielsen.

O canal Horeca é o mais relevante para a categoria, com 80% das vendas em valor (4 euros em cada 5 euros) e dois terços das vendas em volume. Tiago Aranha, Client Development Manager da Nielsen, refere que “o crescimento da categoria está relacionado com uma maior disponibilidade dos consumidores portugueses para o consumo fora de casa, associado a atividades de lazer (30% dos portugueses gastam o seu dinheiro extra em entretenimento fora de casa, contra apenas 12% em 2013). Os valores registados em 2019 demonstram o ambiente altamente dinâmico da categoria e reforçam o seu peso entre os bens de grande consumo”.

O responsável da Nielsen destaca ainda o peso da promoção. “70% das vendas de cerveja em retalho no último ano foram realizadas com este suporte, um aumento face ao ano passado (67%), o que torna as cervejas especialmente promocionadas comparativamente com a média dos bens de grande consumo”.

A influência da sazonalidade

Embora em todos os meses do primeiro semestre de 2019 se registe um crescimento na ordem dos dois dígitos, a sazonalidade continua a desempenhar um papel significativo no cômputo global do ano. 42% do volume de vendas em 2018 verificou-se nos meses de verão – junho a setembro –, sendo que este período representou uma parcela significativa das vendas, quer no canal de retalho (47%), quer no canal Horeca (39%).

As razões do aumento de consumo neste período continuam a prender-se essencialmente por fatores como melhores condições climatéricas, períodos de férias, a realização de festas populares, festivais e eventos desportivos, a melhoria da confiança dos consumidores, o aumento do turismo, assim como o regresso de emigrantes a Portugal e a disponibilidade do produto em loja.

O forte dinamismo do consumo dentro do lar encontra-se sustentado em três “drivers” a atuar em conjunto. Existe um maior número de lares a consumir cerveja, os consumidores compram mais vezes e encontram-se a gastar mais em cada ato de compra. A cerveja chega a mais de 77% do total de lares, tendo a categoria sido adquirida 9,5 vezes no último ano (uma vez a cada 38 dias) e os consumidores comprado em média três litros e gastado 5,2 euros por visita.

Publicidade

Publicidade

“Gin” sem álcool Ceder’s chega a Portugal

Chronopost investe 3,5 milhões de euros nas novas bases logísticas do Alentejo e Algarve