in

Vendas do Grupo DIA crescem 6,1% em Portugal

No exercício de 2020, as vendas líquidas do Grupo DIA em Portugal cresceram 6,1%, para os 630 milhões de euros.

As medidas locais de transformação e de remodelação, centradas na melhoria da oferta, compensou a queda do turismo nas principais cidades do país, durante a época alta, impulsionando as vendas.

Globalmente, as vendas do grupo aumentaram 0,2%, com uma rede de lojas otimizada (-6,9%) e apesar das desvalorizações do real brasileiro e do peso argentino, e da descida dos níveis de turismo em Espanha e Portugal, como consequência das restrições impostas pela Covid-19.

Numa base comparável, as vendas aumentaram 7,6%, mantendo o impulso positivo registado no primeiro trimestre, graças às iniciativas de melhoria em curso, que resultaram num incremento de 24,6% no tamanho da cesta média.

O EBITDA ajustado regressou a valores positivos de 1,8%, como percentagem das vendas líquidas, e os prejuízos totalizaram 363,8 milhões de euros, penalizados pelas diferenças de câmbio produzidas no período pela depreciação do real brasileiro. “Os nossos resultados financeiros demonstram os progressos diários que a DIA leva a cabo, como consequência do seu plano estratégico plurianual. Tendo assentado as bases em 2019, em 2020, introduzimos melhorias operativas e comerciais nos quatro países nos quais temos operações, liderados pelas equipas de direção em cada país”, comenta Stephan DuCharme, presidente executivo da DIA.

Em Espanha, a tendência positiva das vendas líquidas manteve-se em termos interanuais (mais 7,9%, para os 4.508,8 milhões de euros), apesar do grupo contar com menos 7,5% de lojas. No Brasil, as vendas aumentaram 4,5%, em moeda local, apesar da diminuição em 11,5% do número de lojas, após o encerramento estratégico de localizações não rentáveis. Já na Argentina, o crescimento, em moeda local, foi de 35,9%, graças à melhoria dos resultados operativos num ambiente macroeconómico complicado.

 

2.ª fase de transformação do negócio

Em 2020, implementou-se a segunda fase da transformação do negócio da DIA. As principais prioridades incluíram o desenvolvimento da proposta de valor comercial, a melhoria do sortido, com foco especial nos produtos frescos, assim como o desenvolvimento de uma marca própria que combine qualidade, boa relação preço/qualidade e um packaging mais atrativo.

Durante a segunda metade do ano, iniciou-se o arranque total do novo modelo de franquias em Espanha e Portugal. Deste programa, que inclui, entre outros, suporte operativo e de pagamento, um novo sistema de incentivo de vendas ou melhoria no método de pagamento de mercadorias, bem como,uma estrutura de custos simplificada, já beneficiam mais de 950 parceiros da DIA em Espanha (64% dos franqueados, incluindo Clarel) e outros 180 parceiros em Portugal (67% dos franqueados). Na Argentina, arrancou um novo modelo atualizado de franquia, enquanto se prepara o lançamento de uma oferta à medida para o Brasil.

De igual modo, continuou a expansão dos serviços de venda online e de entrega express nos quatro países onde o grupo está presente, para satisfazer as novas tendências de compra que foram aceleradas pelas restrições da pandemia. Em Espanha, 14 lojas foram convertidas em “dark stores” (ou seja, lojas que apenas dão serviço à venda online) e a empresa chegou a acordo com uma série de parceiros para melhorar as entregas de última milha, já disponível em 440 lojas e cuja cobertura alcançou os 90% das populações das principais cidades. Por outro lado, em Portugal, o serviço de venda online já chega à maior parte das áreas metropolitanas de Lisboa e Porto e o serviço de entrega express encontra-se disponível em 95 lojas através de alianças estratégicas.

Publicidade

Fnac

Fnac Darty anuncia novo plano estratégico

Tendências 2021

Pandemia acelerou digitalização do sector alimentar em 2 a 4 anos