in

Mango assina primeiro acordo de financiamento relacionado com critérios de sustentabilidade

Custo deste crédito será reduzido caso a Mango atinja 100% do uso de algodão sustentável, poliéster reciclado e fibras celulósicas de origem controlada

Foto Shutterstock

A Mango reforçou o seu compromisso com a sustentabilidade ao refinanciar a sua dívida e vinculá-la, pela primeira vez na história da empresa, a critérios ESG (de meio ambiente, sociais e de boa gestão corporativa).

Com este acordo, a Mango, que fechou o ano de 2021 com os lucros mais elevados da última década e com uma estrutura financeira saudável, estendeu o pagamento das suas obrigações financeiras, melhorou o custo da sua dívida e duplicou a disponibilidade das linhas de créditos revolving, ao introduzir critérios de sustentabilidade, um dos principais sectores em desenvolvimento na indústria da moda.

O CaixaBank liderou esta transação, atuando como agente coordenador, banco coordenador e agente de sustentabilidade, além de ser um dos três bookrunners, juntamente com o BBVA e o Banco de Sabadell. Os outros bancos participantes foram o Banco Santander, Erste Bank, Deutsche Bank, Ibercaja e Unicaja. A empresa Broseta de Barcelona atuou como conselheiro legal desta operação.

Trata-se de uma transação histórica para a empresa. Não só vinculámos, pela primeira vez, o custo da nossa dívida a indicadores de sustentabilidade, mas também conseguimos estender o calendário de pagamentos, melhorando os custos e duplicando a nossa capacidade financeira”, comenta Margarita Salvans, diretora financeira da Mango.

 

Compromisso

Em concreto, o compromisso passa por alcançar, em 2025, 100% do uso de algodão sustentável, poliéster reciclado e fibras celulósicas de origem controlada, assim como reduzir em mais de 10% as emissões de CO2 de alcance 1 e 2.

Estes objetivos foram validados numa Second Party Opinion elaborada por Anthesis Lavola.

Publicidade

VINHO BRANCO DOC VERDE CAMALEÃO LOUREIRO E ALVARINHO 2020 75 CL

Recheio e J. Cabral Almeida estabelecem parceria para distribuição dos vinhos Camaleão

pandemia

62% dos portugueses admite ter medo de sair após o surgimento da Covid-19