in

Imposto sobre a cerveja, licores e espirituosas sobe 1,5% no próximo ano

Em 2018, o imposto sobre bebidas como cerveja, vinhos licorosos e espirituosas vai voltar a subir, desta vez cerca de 1,5%.

Segundo a proposta preliminar do Orçamento de Estado para 2018, as bebidas voltam a aumentar, ainda assim menos do que este ano, onde o aumento foi 3%.

De acordo com a  Lusa, a cerveja vai passar a pagar um imposto que começa nos 8,34 euros por hectolitro para os volumes de álcool mais baixos, e que vai até aos 29,30 euros por hectolitro, no caso dos volumes de álcool mais elevados. No caso das bebidas espirituosas, onde se inclui gin e vodka, a taxa de imposto vai sofrer um aumento de 1,4%, passando dos atuais 1.367,78 euros por hectolitro para os 1.386,93 euros por hectolitro em 2018.  Já nos vinhos licorosos, a subida será de 1,4%, passando de 75,05 euros por hectolitro para 76,1 euros.  Não estão, por enquanto, previstas quaisquer alterações ao imposto que incide sobre o teor alcoólico do vinho.

A Associação Portuguesa de Produtores de Cerveja já se manifestou “chocada” com esta possibilidade de agravamento na cerveja e espirituosas, enquanto o imposto no vinho permanece inalterado. ”É com um sentimento de enorme frustração que a APCV constata a insensibilidade do Governo perante um sector que contribui com mais de mil milhões de euros para o VAB [valor acrescentado bruto] nacional, que exporta mais de 250 milhões de euros e que gera mais de 60.000 empregos diretos e indiretos, equiparando-o ao sector das bebidas espirituosas que, genericamente, é um sector que não possui uma cadeia de valor significativa no país, nem contribui para o emprego nacional”, destaca Francisco Gírio, secretário-geral da APCV. “Este aumento é especialmente grave para o sector cervejeiro pois afeta todos produtores, incluindo os artesanais e micro-cervejeiros, que procuram consolidar o seu negócio e são profundamente penalizados com este aumento“.

Publicidade

Indústria portuguesa é das que mais cresce na Zona Euro

Produção de azeite e azeitona no Alentejo afetada pela seca