in

Famílias com orçamento de 315 euros para a quadra natalícia

Os portugueses, à semelhança de 2014, demonstram elevada prudência na alocação do seu orçamento para a quadra natalícia. A conclusão é do Estudo de Natal 2015 da Deloitte que revela, ainda, que este ano as famílias preveem um gasto total de 315 euros por lar, menos 5,6% face ao ano anterior.

Desde 2008 que as expectativas de orçamento para a quadra natalícia têm vindo a diminuir em Portugal. No entanto, em 2014, o orçamento real de gasto inverteu a trajetória de queda, tendo-se verificado um aumento real face ao ano de 2013. Em todo o caso, existe um novo padrão de gastos na quadra natalícia, passando dos 600 euros do período pré-ajustamento para um novo normal, cujo valor varia entre os 300 e 400 euros”, destaca Nuno Netto, partner de consultoria da Deloitte.

Este orçamento será repartido pelos presentes (143 euros), pela alimentação e bebidas (118 euros) e pelas atividades de socialização (54 euros).

À semelhança do ano de 2014, o receio da deterioração da economia é o principal motivo para os europeus diminuírem os seus gastos no Natal, enquanto que para os portugueses a diminuição do rendimento líquido é o fator mais penalizador. O receio face ao futuro da economia é o segundo motivo para diminuir o orçamento de Natal.

Os portugueses que têm a expectativa de aumentar o seu orçamento nesta época festiva referem as promoções (41%) como o principal incentivo para o fazerem. Na Europa, o principal motivo para aumentar os gastos no Natal é o desejo de evitar pensar na crise e tirar partido da quadra natalícia (39%).

Em Portugal, a tendência de melhoria do sentimento face à situação económica do país é mais acentuada do que na Europa. Em 2015, 55% dos portugueses avaliam como negativa a situação do país, face aos 72% em 2014 ou aos 83% em 2013, mas ainda aquém dos 45% registados em 2009. Este ano, 16% dos portugueses já classificam como positiva a situação económica por comparação com os apenas 7% que assim a qualificavam em 2014.

Apenas 37% dos europeus acredita que o atual estado da economia é negativo, em comparação com os 48% e os 55% de 2014 e 2013, respetivamente. A tendência de melhoria mantém-se face aos anos de 2008-2014, regressando aos níveis de 2006-2007, quando precisamente 37% dos europeus classificava a situação económica como negativa.

Quanto às expetativas para 2016, o país tem a melhoria mais significativa de toda a Europa. Em Portugal, o saldo líquido melhora dos 25% negativos em 2014, face às expectativas para 2015, para os 3% negativos, face às expetativas para o ano de 2016. A nível europeu, as expectativas também melhoram. O saldo líquido entre expectativas positivas e negativas relativamente a 2016 é de -5%, face aos -19% registados em 2014 relativamente ao ano de 2015. “Estes dados vêm confirmar que os consumidores ajustaram o seu padrão de consumo, mostrando realismo face à evolução do contexto económico do país. Notámos que existe a expectativa de que maiores dificuldades e desafios estarão ultrapassados e, por isso, o futuro é encarado de uma forma significativamente mais otimista”, refere Nuno Netto.

Tanto os europeus como os portugueses mantêm a perceção de diminuição do seu poder de compra, muito embora se note uma inversão de tendência. De facto, Portugal apresenta a maior evolução de expectativas da Europa, seguido de Espanha e Itália. Cerca de 20% dos portugueses inquiridos espera diminuir o seu poder de compra para o ano de 2016, comparativamente com os 25% em relação ao ano passado. O saldo líquido entre respostas positivas e negativas melhora significativamente para os 5% positivos face aos -3% registados em 2014 ou aos -44% no ano de 2013.

Os impostos mantêm a liderança como principal categoria a absorver o orçamento dos europeus, com 35% a afirmar que gastou uma maior percentagem do seu rendimento em impostos, face aos 38% de 2014. Tal como em 2014, os bens essenciais como a alimentação, energia e saúde perfazem o pódio das categorias que mais absorvem o orçamento dos europeus. Em Portugal, a carga fiscal é a categoria que mais cresce, com 37% dos portugueses a afirmar que gastou mais do seu orçamento em impostos, verificando-se no entanto uma diminuição face aos 44% registados em 2014.

A predisposição dos portugueses para reduzirem mais os seus gastos, caso seja necessário, é superior à média dos europeus nas despesas irregulares, entretenimento, vestuário e férias. No entanto, nas categorias de educação, bens essenciais, habitação e saúde, os portugueses, à semelhança do verificado no ano de 2014, resultado do forte reajustamento concretizado nos últimos anos, já demonstram uma maior resistência para cortar face aos congéneres europeus.

Publicidade

Amazon lança serviço de despensa digital no Reino Unido

Sage lança software para supermercados