in

EuroCommerce adverte para aumento do protecionismo

O FMI emitiu o último Panorama Económico Mundial bianual, que novamente assinalou uma mudança contínua para o protecionismo nas economias avançadas, prática para a qual o EuroCommerce adverte. “Como este e outros relatórios recentes – e a experiência direta de retalhistas e grossistas – mostram, há um afastamento de uma política comercial aberta“.

Na visão do EuroCommerce, a tendência acelerada dos países que procuram medidas de curto prazo para proteger um sector particular ignora o dano a longo prazo, não só para a economia em geral, mas também para eles mesmos, em termos de perda de competitividade e saúde económica. Um mercado global livre e o mercado único aberto da União Europeia visam permitir que consumidores e empresas tenham acesso aos bens e serviços que desejam comprar. O

Comentando a publicação do relatório do FMI, o diretor geral do EuroCommerce, Christian Verschueren, disse que “muitos países dentro e fora da União Europeia estão a tentar ganhar vantagem marginal, criando novas barreiras para as empresas que procuram oferecer escolha e bom serviço aos consumidores. Isso é míope e auto-destruidor, dificultando o crescimento dos países e a criação de novos empregos. Na União Europeia, também se está a prejudicar o mercado único do qual dependem todas as nossas economias. Um mercado único inacabado e fragmentado custa anualmente aos consumidores e às empresas milhões de euros. Este relatório do FMI fornece evidências valiosas que justificam que a União Europeia precisa de se equipar para competir globalmente, eliminando restrições discriminatórias e injustificadas ao fornecer aos consumidores os melhores produtos e serviços“.

Publicidade

União Europeia vai impedir a comercialização de produtos com qualidade distinta consoante o Estado-membro

A lasanha da Colgate