in

Dona Matilde lança tinto da sua mais antiga vinha

A mais antiga vinha da Quinta Dona Matilde, com 90 anos, deu origem ao Dona Matilde Vinha do Pinto tinto 2019.

Cepas da primeira geração de vinhas pós-filoxera, a doença que dizimou o Douro no final do século XIX, cuidadas, ano após ano, pelos sucessivos herdeiros, do bisavô aos bisnetos, originaram um vinho intenso, aromático, complexo e elegante. “Estas grandes vinhas do passado têm um carácter próprio, marcado e exclusivo. Encontro nelas um grande conhecimento empírico da viticultura da altura, que nos permite agora uma intervenção personalizada, mais expressiva, espontânea e natural. É isto que as torna irrepetíveis, o mesmo acontecendo com os vinhos”, testemunha o viticólogo da Quinta Dona Matilde, José Carlos Oliveira.

 

Revitalizar o património vitícola

Revitalizar o património vitícola é isto. É cuidar do legado e dar-lhe vida através de vinhos que são a expressão máxima do lugar”, comenta Filipe Barros, o herdeiro da quarta geração responsável pela direção de marketing da quinta, explicando que “havia vontade de criar alguns vinhos diferentes” e que “falassem das vinhas velhas da Dona Matilde”. O Vinha do Pinto é o segundo da série, iniciada em 2019 com o lançamento do Dona Matilde Vinha dos Calços Largos tinto 2017, já esgotado no produtor.

Esta é também uma forma de dignificar a quinta, apresentando vinhos de coleção “em anos em que as vinhas velhas manifestam todo o seu esplendor”, acrescenta o enólogo João Pissarra. “Motiva-nos um experimentalismo que visa explorar as qualidades intrínsecas da quinta, tradicionalmente dedicada à produção de vinho do Porto. Queremos perceber o efeito do tempo e da mistura de castas nos vinhos e o seu contributo para a produção de tintos e brancos de grande qualidade”, conclui.

Dona Matilde Vinha do Pinto 2019

O Dona Matilde Vinha do Pinto 2019 é um vinho com pouca intervenção em adega e sem estágio em barrica de madeira, uma opção que assegura a exuberância de aromas, mantendo, a par, a elegância e complexidade características dos vinhos Dona Matilde.

À novidade junta-se ainda a nova edição do Dona Matilde Reserva branco 2019, criado a partir das vinhas de castas brancas da quinta plantadas há 25 anos, com o objetivo de produzir vinhos brancos DOC Douro de elevada qualidade. Nestas vinhas predominam o Arinto e o Viosinho, tendo também Gouveio e Rabigato. As castas foram plantadas em separado, mas, na linha de valorização do património vínico da quinta, este Reserva branco é um “field blend” que resulta de uma seleção de uvas nas próprias parcelas.

 

Quinta histórica

Originalmente dedicada à produção de vinho do Porto, a Quinta Dona Matilde pertence à família de Manuel Ângelo Barros, desde 1927. Está entre as mais antigas propriedades da região do Douro, integrando a primeira demarcação ordenada pelo Marquês de Pombal em 1756. Toda a vinha da quinta – um total de 28 hectares – tem letra A, a mais alta classificação das vinhas para a produção de vinho do Porto.

Para além de vinhas velhas, com idades entre 80 e 90 anos, e outras mais recentes, plantadas há mais de 25 anos, a Quinta Dona Matilde possui olival, horta, pomar e uma ampla área ocupada por terrenos incultos, de vegetação natural, na qual se incluem os chamados mortórios. No total, a propriedade tem 93 hectares.

Integrada no Grupo Barros, o qual foi vendido em 2006, a Quinta Dona Matilde acabou por regressar a uma parte da família, alguns meses depois da venda, quando Manuel Ângelo Barros, neto do fundador, decidiu adquiri-la, mantendo a ligação ao Douro.

Publicidade

IKEA

Ikea Portugal atualiza salário entrada para 750 euros

Redes sociais

Pandemia fortaleceu relações virtuais com influenciadores