in ,

Comodidade impulsiona as compras online em Portugal

Foto Shutterstock

As vantagens associadas às compras online, surgem ligadas à comodidade: consultar/visitar várias lojas antes de comprar (75%), poder comprar em qualquer lugar (53%) e evitar deslocações para comprar (40%). Estas são três das conclusões do estudo de mercado levado a cabo pela Levelsource.

Através de uma amostra de 2.182 entrevistas presenciais válidas e realizadas a indivíduos de ambos os sexos, de idades compreendidas entre os 18 e os 65 anos, residentes em Portugal Continental, que realizaram uma compra online nos últimos 12 meses, foi possível apurar que 40% dos inquiridos já fez compras online. Destes 45%, são indivíduos do sexo feminino e 55% do sexo masculino. Há mais compradores online em Lisboa e Grande Lisboa (47%), que no Porto e o Grande Porto (37%) e os indivíduos com mais habilitações literárias e com maiores rendimentos mensais realizam mais compras online (86% classe AB).

Das 2.182 pessoas inquiridas, 52% já compararam, pelo menos uma vez, artigos online e, destas, 87% já o fizeram, também, no estrangeiro e, também, pelo menos. uma vez.

O estudo permite concluir que os shoppers online confiam no serviço de entregas (98%) e nas lojas online (94%), na qualidade dos produtos/artigos (90%) e preferem lojas que exigem registo (94%). Mas, em sentido inverso, receiam ser alvo de fraudes (52%).

Os portugueses sentem-se confortáveis com o uso da Internet (40%). Ao nível da “linguagem”, os shoppers online conhecem os termos cookies (90%), https:// (89%) e marketplaces (80%), entre outros. Contudo, isto não significa que saibam o seu significado.

A moda (36%), o lazer (bilhetes de espetáculos e cultura) com 30%, as viagens e estadias (27%), o calçado e acessórios (21%), as refeições ao domicílio (22%), a tecnologia (20%) e a cosmética (18%) são as áreas que mais se destacam. Como formas de pagamento, utilizam, maioritariamente, o MB (74%), transferência bancária (43%), dinheiro (33%) e cartão de crédito (10%). O computador, seja ele laptop ou desktop, é o aparelho mais utilizado para realizar compras online, com os inquiridos a escolherem estes dois meios 87% das vezes. Os telemóveis (62%) e os tablets (20%) surgem a seguir.

Ao nível da qualidade e satisfação, os resultados são positivos, com 93% dos inquiridos a considerarem a sua última experiência como “muito positiva”. Para realizar as suas compras, recorrem aos sites de marcas (80%), marketplaces (58%), classificados (30%) e apenas 10% o fazem nas redes sociais e, destes, 8% no Facebook.

Os receios associados às compras online são as dificuldades nas devoluções (38%), o tempo de espera pelo produto/artigo (20%) e os danos causados nos produtos/artigos

comprados durante o transporte (17%). O estudo avaliou também as opções de entrega e, dos que já fizeram as suas compras online, 45% recebeu os seus produtos em casa, 30% no local de trabalho e 25% num “ponto de proximidade” da transportadora.

Publicidade

Nikka é a Marca mais Trendy 2020

Carrefour entra no Uganda