Webinar Lantern
in

Caminho de regresso à normalidade deverá levar 3 anos

Estudo da Lantern prevê que sector alimentar seja dos mais transformados pela pandemia

Haverá um mundo antes, durante e depois da pandemia. O estudo “EIT Food Foresight: Impact of COVID 19 on the Food Sector in Southern Europe”, realizado pela consultora Lantern, em conjunto com o Instituto Europeu da Inovação e Tecnologia (EIT, na sigla inglesa), assegura que, após a erradicação do vírus, o sector alimentar – e os negócios inerentes – seja dos mais transformados pela pandemia.

Numa extensa análise ao estado atual e perspetivas de futuro para o sector, o estudo da consultora alimentar Lantern prevê que o caminho de regresso à normalidade deverá levar três anos desde o início da pandemia. Até lá, irão nascer novos hábitos e tendências de consumo, como o “consumismo vingativo”, que serão momentos-chave no relançamento da economia e oportunidades singulares para muitas empresas capitalizarem o seu posicionamento no mercado.

 

Cenários futuros

Para apresentar esta e outras tendências, a Lantern vai realizar o webinar “Depois da pandemia: cenários futuros para o sector agroalimentar”, que irá decorrer no próximo dia 23 de fevereiro, a partir das 10 horas, via Zoom.

O webinar conta com a participação de David Lacasa, partner da Lantern, Lia Oliveira diretora de marketing da Nobre Alimentação, Campofrio Food Group, Gonçalo Amorim, CEO da Building Global Innovators, representante do EIT Food, com a moderação de Bruno Farias, diretor da Grande Consumo.

Partindo das principais conclusões do estudo, estarão em debate os efeitos da Covid-19 na indústria agroalimentar (a três anos), bem como uma análise das principais tendências que daí poderão advir, nomeadamente, a forma como a pandemia poderá dar origem a novos hábitos de consumo, ou, inclusive sobre o que irá mudar no relacionamento entre as marcas e o consumidor.

O registo para assistir ao webinar pode ser feito aqui.

Dole

Novo gigante mundial nos frescos

marcas próprias

Covid-19 rompe com a hegemonia dos principais grupos de distribuição de Espanha