in

Teletrabalho fomenta hábitos de consumo mais domésticos e indulgentes

De acordo com o sexto barómetro “Consumo e compra dentro e fora do lar depois da Covid-19” da Aecoc, associação que congrega os interesses do sector do grande consumo em Espanha, o teletrabalho está a fomentar hábitos de consumo mais domésticos e indulgentes, com os consumidores mais predispostos a cozinhar e a dar-se ao luxo de alguns caprichos.

O estudo, realizado no mercado espanhol, indica que 66% dos consumidores em teletrabalho procura produtos e preparações que ajudem a cozinhar e que 64% compra alimentos para replicar os pratos que, antes da pandemia, comia nos restaurantes. No caso da população geral, a percentagem cai para quase 40%.

 

Delivery

Não só cozinham mais em casa, como também estão mais predispostos a pedir mais entrega de refeições ao domicílio. 63% dos que trabalham a partir de casa é utilizador de plataformas de delivery, valor que praticamente duplica o da população geral (37%).

De igual modo, quem está em teletrabalho também recorre mais ao take-away nos supermercados: 27%, mais 10 pontos que a população geral.

 

Indulgência

Estes consumidores também se dão ao luxo de ter mais caprichos na sua dieta. 37% afirma que, agora, come mais entre refeições do que antes da pandemia e 27% compra mais produtos premium, face a, respetivamente, 27% e 14% da população global.

Publicidade

Pixabay_férias_verão_seguras

Férias de verão seguras: 5 aspetos a ter em conta

lidl-oosterwold-almere

Lidl abre supermercado neutro em carbono na Holanda