Imagem Shutterstock
in ,

SAP aborda riscos e oportunidades da cadeias de abastecimento

A SAP SE acaba de anunciar a publicação de um novo estudo, desenvolvido em parceria com a Oxford Economics, cujas conclusões apresentam um conjunto atempado de informações adequadas para apoiar as empresas a minimizarem interrupções nas suas cadeias de abastecimento, mesmo em períodos de crise.

O mundo em que vivemos, embora tantas vezes turbulento, mudou radicalmente nas últimas semanas, com o impacto da Covid-19“, refere Martin Barkman, vice-presidente da SAP e diretor para Digital Supply Chain, Solution Management. “Esta situação sem paralelo levou a uma grave interrupção nas cadeias de abastecimento, o que dificulta a capacidade das empresas para entregar os produtos no prazo e ir ao encontro das necessidades dos clientes. Agora, mais do que nunca, precisamos de cadeias de abastecimento que sejam resilientes”.

A pesquisa da SAP e da Oxford Economics analisou as práticas das empresas líderes ao nível das cadeias de abastecimento. Neste caso, os 12% de entrevistados com cadeias de abastecimento mais resilientes e níveis mais elevados de inovação, de satisfação de clientes e de colaboradores e, ainda, que apresentavam números de crescimento quando comparados com outros entrevistados. Embora todas as cadeias de abastecimento sejam vulneráveis ​​a riscos inerentes a uma economia global, a pesquisa sugere que as organizações adotam as características dos líderes da indústria, para estarem mais bem preparadas para o sucesso, especialmente em momentos disruptivos.

Os líderes das cadeias de abastecimento são identificados como aqueles que partilham as seguintes qualidades: baseiam a maioria das decisões da cadeia de valor dos seus produtos nas necessidades do cliente, ponderam as questões da sustentabilidade, desde o design do produto até à sua entrega, captam e atuam com base em informações em tempo real, geralmente através da utilização da inteligência artificial ou de uma análise preditiva e implementam tecnologias avançadas em escala nas suas organizações.

Embora a pesquisa tenha sido concluída ainda na primeira fase de propagação da Covid-19, ou seja, antes da interrupção das cadeias de abastecimento ter atingido níveis de crise, as suas conclusões são perfeitamente aplicáveis ​​aos desafios que hoje se verificam. “Estes resultados demonstram que os responsáveis pelas cadeias de abastecimento precisam de ter visibilidade para tomarem decisões, com rapidez e precisão, devidamente informadas, potenciando uma tecnologia que os ajuda a perceber, prever e responder a esta dinâmica mundial“, explica Ben Wright, Senior Research Analyst da Oxford Economics.

Publicidade

Distribuição espanhola espera quebra de 40% a 50% no consumo alimentar

José María Benavent é o novo presidente executivo da Nueva Pescanova