in ,

Os preços globais dos alimentos sobem em agosto

Os preços globais dos alimentos subiram pelo terceiro mês consecutivo em agosto, influenciados por uma demanda, em geral, mais firme e um dólar americano mais fraco, de acordo com um relatório divulgado pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

O Índice de Preços de Alimentos da FAO, que acompanha os preços internacionais das “commodities” alimentares mais comercializadas, teve uma média de 96,1 pontos em agosto, 2% acima do mês anterior e atingindo o seu nível mais alto desde fevereiro de 2020.

O Índice de Preços de Cereais da FAO subiu 1,9% em relação a julho, com média de 7% acima do seu valor em agosto de 2019, com os grãos grossos a liderar o aumento. O preço do sorgo aumentou 8,6% – e ficou 33,4% acima do nível do ano anterior, principalmente devido à forte demanda de importação da China. O preço do milho aumentou 2,2%, em meados de preocupações com os recentes danos à safra em Iowa. O preço internacional do arroz também subiu, sustentado pela disponibilidade sazonalmente restrita e pelo aumento da demanda africana.

O Índice de Preços do Açúcar da FAO aumentou 6,7% em relação ao mês anterior, refletindo perspectivas de produção reduzidas devido às condições climáticas desfavoráveis ​​na União Europeia e na Tailândia, o segundo maior exportador de açúcar do mundo, bem como a forte demanda de importação da China.

O Índice de Preços do Óleo Vegetal da FAO aumentou 5,9%, liderado por valores mais firmes para o óleo de palma, especialmente, mas também para os óleos de soja, girassol e colza. Esta evolução reflete a desaceleração da produção nos principais países produtores de óleo de palma face a demanda de importação global.

O Índice de Preços de Laticínios da FAO ficou praticamente inalterado em relação a julho. As cotações de queijo e leite em pó integral cairam, face expectativas de uma ampla disponibilidade sazonal de exportação na Oceânia, enquanto os preços da manteiga subiram devido ao estreitamento da disponibilidade de exportação na Europa, na esteira da onda de calor de agosto que reduziu a produção de leite.

O Índice de Preços da Carne da FAO também ficou quase inalterado desde julho – embora tenha caído 8,9% em relação a agosto de 2019 – já que o efeito da menor demanda de importação de carnes bovinas, de aves e de ovinos foi compensado pelo aumento da demanda de importação de carne de suíno da China.

Perspectiva atualizada nos cereais

A FAO também reduziu a sua previsão para a produção mundial de cereais em 2020 em 25 milhões de toneladas de uma projeção de julho, devido em grande parte às expectativas de uma produção menor de milho nos Estados Unidos da América. No entanto, apesar dessa redução, tal resultado ainda representaria um recorde histórico, chegando a 58 milhões de toneladas acima da produção de 2019.

Safras recordes de milho estão previstas para Argentina e Brasil, enquanto a produção global de sorgo deve crescer 6% em relação ao ano anterior. A produção mundial de arroz em 2020 também deve atingir um novo recorde de 509 milhões de toneladas.

A nova previsão da FAO para a utilização mundial de cereais em 2020/21 é de 2.764 milhões de toneladas, um aumento de 2% numa base anual

O stock global de cereais devem aumentar 1,7%, para 895,5 milhões de toneladas no final das safras de 2021, traduzindo-se numa proporção mundial de stock de cereais para consumo de 31,8%, ligeiramente abaixo de julho, mas ainda relativamente alto de uma perspectiva histórica.

Impulsionado por embarques maiores esperados de arroz e grãos grossos, o comércio mundial de cereais em 2020/21 está agora estimado em 441,4 milhões de toneladas, 1,6% acima do nível de 2019/20.

Publicidade

Insolvências

Insolvências aumentam mais de 64% em agosto

REISSWOLF

REISSWOLF lança serviço de recolha de equipamento de proteção individual