Mercadona mantém compromisso pela igualdade

Mercadona é uma das empresas fundadoras do Pacto Contra a Violência

Elena Ribelles, diretora de Igualdade do grupo Mercadona, Rosa Monteiro, Secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, e Sandra Ribeiro, presidente da Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género, formalizaram assinatura do Pacto Contra a Violência

A Mercadona, dentro do compromisso que mantém há vários anos na luta contra a violência, integra o conjunto de empresas fundadoras do Pacto Contra a Violência, assinado recentemente com a Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género (CIG). O objetivo deste pacto é criar e formalizar uma rede de entidades que contribuem ativamente para o apoio a esta causa.

O convite, dirigido pela Secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Rosa Monteiro, é fruto da colaboração que a Mercadona tem vindo a desenvolver com este organismo, contribuindo para a sensibilização dos seus “Chefes” (clientes) e trabalhadores para a problemática da violência, bem como para o apoio a vítimas de violência integradas na Rede Nacional de Apoio às Vítimas de Violência Doméstica (RNAVVD).

Segundo Elena Ribelles, diretora de Igualdade do grupo, “o modelo empresarial da Mercadona baseia-se na igualdade de oportunidades, fomentando a equidade e respeito mútuo entre os trabalhadores e trabalhadoras. Materializamos isto através de medidas internas – em Espanha já altamente desenvolvidas e em Portugal em fase de arranque. Prova disso é a assinatura deste Pacto Contra a Violência, que sela o nosso compromisso contra esta problemática, que é responsabilidade de todos e na qual as empresas devem ter voz ativa, sensibilizando os seus colaboradores, assegurando espaços de trabalho seguros e apoiando as vítimas”.

Tal como é prática do grupo em Espanha, a Mercadona tem vindo a colaborar na divulgação de campanhas de sensibilização e informação dirigidas às vítimas de violência doméstica em Portugal, bem como a todas as pessoas que podem ser elementos-chave na identificação de novos casos.

Com o objetivo de proteger os seus colaboradores vítimas de violência de género, a Mercadona tem em prática, desde 2014, um protocolo de atuação que consiste em apoiar estas vítimas de forma imediata com assistência, assessoria legal e psicológica.

Por outro lado, dentro da sua política de Responsabilidade Social, a Mercadona doa regularmente bens essenciais a diversas entidades, tendo já apoiado várias instituições sociais que acolhem vítimas de violência nos distritos onde está presente: Porto, Braga, Aveiro e Viana do Castelo.

 

Princípio da igualdade de tratamento e de oportunidades em todos os âmbitos

A Mercadona defende o princípio da igualdade de tratamento e de oportunidades em todos os âmbitos. Este quadro integrador gera uma política de neutralidade empresarial, comprovada pelos próprios dados: 62% da equipa são mulheres; das 849 pessoas promovidas, em 2019, 40% são mulheres; a empresa tem 1.877 mulheres em cargos de direção, 47% do total; 57 nacionalidades diferentes e 635 colaboradores com vários níveis de incapacidade diferentes compõem os quadros da empresa.

A Mercadona conta com um Plano de Igualdade integrado no seu Contrato Coletivo de Empresa, em Espanha, que garante um ambiente laboral com qualidade e que procura avançar na igualdade de tratamento e oportunidades, garantir a equidade retributiva, prevenir e eliminar qualquer possibilidade de discriminação e garantir o exercício corresponsável dos direitos de conciliação pessoal, familiar e laboral. A consciencialização é fundamental para promover um ambiente de trabalho coeso, uma vez que permite construir relações profissionais saudáveis, prevenir a discriminação e gerar equipas unidas e competitivas. A Mercadona desenvolveu ainda, em 2009, um Plano de Igualdade e um Protocolo de Assédio

A igualdade de género é uma premissa base da Mercadona, que conta ainda com uma política salarial transparente e igualitária, baseada no princípio de “para a mesma responsabilidade, o mesmo salário”.

Bray x SB

Super Bock lança caixa de cervejas com obra de arte para colecionar

supermercados

Portugueses mais pessimistas sobre a situação do país