in

Huawei na liderança do mercado português de smartphones

A Huawei foi a marca de smartphones mais vendida em Portugal nos primeiros três meses do ano, de acordo com os dados da IDC.

A tecnológica chinesa superou a Samsung e a Apple, respetivamente segunda e terceira marcas mais vendidas em Portugal no período de análise, registando o segundo trimestre consecutivo na liderança, depois de ter chegado a número um no mercado nacional durante o último trimestre de 2017.

Em declarações ao Dinheiro Vivo, Francisco Jerónimo, diretor de pesquisa para comunicações móveis da IDC EMEA, indica que a diferença entre as três marcas não foi muita, mas é uma tendência que tem vindo a verificar-se a nível europeu. “É importante notar que o preço médio dos produtos que eles vendem têm vindo a crescer, o que significa que não é só o crescimento nas unidades vendidas, mas também o preço médio dos produtos tem vindo a aumentar. Os consumidores começam a aceitar os produtos mais premium da Huawei como uma alternativa aos produtos da Apple e da Samsung”, diz o analista.

A previsão da IDC é que a Huawei vai manter a liderança em Portugal nos próximos trimestres e deverá chegar ao final de 2018 como a marca de smartphones mais vendida em Portugal. “Não me surpreenderia se, no final do ano, continuassem como número um e se nos próximos trimestres continuassem como número um. A não ser que realmente vejamos por parte da Samsung uma resposta bastante ativa a combater esse crescimento”, defende Francisco Jerónimo.

Além da Huawei, a Samsung precisa também de estar atenta a outra tecnológica chinesa, a Xiaomi. De acordo com o responsável da IDC, a startup que chegou este ano em força ao mercado português “é provavelmente o fabricante que vai afetar mais a Samsung e também a Huawei durante este ano”. A Xiaomi está já a ter um forte impacto noutros países do sul da Europa, sendo número um na Grécia e número quatro em Espanha.

Publicidade

Carrefour faz da China o seu laboratório de inovação

União Europeia continua a liderar o comércio agroalimentar mundial