in

CBRE Portugal cresce 22% em 2019

A CBRE Portugal cresceu 22% em 2019, uma performance recorde que a consultora imobiliária conquista pelo quinto ano consecutivo e que posiciona o último ano como o melhor de sempre da história da CBRE Portugal no que respeita a volume de negócio.

As operações em Lisboa apresentaram um crescimento de 15,5% e o escritório do Porto aumentou em mais que o dobro a sua receita, fruto do dinamismo da região Norte em matéria de transações imobiliárias.

O diretor geral da CBRE em Portugal, Francisco Horta e Costa, salienta que “os últimos cinco anos têm sido de excecionais, mas 2019 foi o melhor ano da história da CBRE em Portugal. O investimento imobiliário em Portugal chegou aos 3,5 mil milhões de euros, em 2019, garantindo uma dinâmica ímpar até à data. A capacidade de resposta da CBRE, nos mais diversos segmentos, às exigências dos investidores nacionais e estrangeiros que mantêm Portugal no seu radar de investimento ditaram estes resultados recorde”.

A acompanhar a tendência global do sector, em 2019, que ficou marcado pela transação de diversos portfólios e carteiras de fundos de investimento imobiliário, bem como um forte investimento alocado ao sector dos hotéis, as áreas de negócio da CBRE que registaram maior crescimento  foram retalho, Property Management e Capital Markets, com especial enfoque na área de hotéis. Destaque ainda para a área de Aavaliações e consultadoria, que aumentou de forma expressiva o número de operações junto de clientes internacionais (75% do total da carteira de clientes são estrangeiros).

Entre as operações em destaque durante o último ano na área de Capital Markets assinala-se a transação de edifícios icónicos, como o D. Manuel II, no Porto, o Fontes Pereira de Melo 41 ou o Alexandre Herculano 50 , em Lisboa, a venda de terrenos na Alta de Lisboa e a venda do edifício da Nestlé, num processo sale & leaseback, tendo em cada operação a CBRE representado os seus respetivos vendedores. Na transação de portfólios de edifícios de escritórios, destaca-se o portfólio Arya, tendo a CBRE assessorado a Fidelidade na venda. Por fim, a transação de três centros comerciais da Sonae Sierra – LouresShopping, Oitava Avenida e RioSul Shopping – representando o comprador (Harbert), ficaram também a cargo da CBRE, sendo que a gestão dos mesmos passará a ser protagonizada pelo departamento de Property Management da CBRE.

No que respeita a escritórios, destaque para o arrendamento de sete mil metros quadrados à Cuatrecasas, que terá a nova sede no antigo edifício da Liberty, em plena Fontes Pereira de Melo, bem como o arrendamento do Edifício Lisboa, na Expo, à Ericsson, totalizando cerca de 1.500 metros quadrados. Em ambas as operações, a CBRE atuou em representação dos proprietários, a Explorer Investments e a Marathon Asset Management, respetivamente.

Em Rretalho, destaque para a colocação de insígnias de grande notoriedade, como a BA&SH e a Dolce & Gabbana na Avenida da Liberdade, a abertura Fnac de dois pisos que totalizam 1.500 metros quadrados no Fórum Aveiro e o reforço da ocupação do UBBO com colocação das lojas Kiwoko, Snipes e Sleep 8, um centro comercial gerido e comercializado pela CBRE. Totalizaram-se 92 novas colocações.

Sobre as perspetivas para 2020, Francisco Horta e Costa levanta o véu sobre as conclusões do estudo que será apresentado no próximo dia 30 de janeiro, no Cineteatro Capitólio, na IV Conferência da CBRE Tendências do Imobiliário. “Tudo indica que o imobiliário vai manter uma dinâmica bastante positiva, em 2020, e que ainda não é desta que o mercado vai abrandar. Existe uma procura sustentada e saudável por parte dos investidores que é transversal aos diferentes sectores e que vai permitir que se desenvolvam e transacionem vários projetos, desde os escritórios ao residencial, passando pela hotelaria e pelos novos conceitos de ‘living’”, assinala.

Publicidade

LG apresenta novo quadro para o desenvolvimento da tecnologia de inteligência artificial

Samsung Electronics revela a nova TV QLED 8K no CES 2020