in ,

67% dos consumidores optam por referências de “km zero”

Os produtos biológicos deixaram de ser um nicho de mercado e são cada vez mais procurados por um consumidor que foge do artificial, como evidenciado pelo Estudo “Wave X – Remix Culture”, realizado pelo IPG Mediabrands Group junto de 56.398 consumidores em 81 países e que analisa as tendências culturais que mobilizam os consumidores.

Uma delas é “Resist”, que se refere à forma como os consumidores lutam cada vez mais pelas suas crenças e valores, sendo a sustentabilidade um dos principais pilares, desde a ecologia à consciencialização social. Nesse sentido, o relatório refere-se a um novo consumidor que está cada vez mais consciente dessa sustentabilidade e deseja integrá-la na sua vida por meio da alimentação. Portanto, aumenta cada vez mais a ingestão ecológica, biológica e sustentável. Assim, 67% dos entrevistados declaram consumir produtos de “quilómetro zero”, 59% opta por frutas e legumes de proximidade e, além disso, 45% está interessado ​​em descobrir a origem do produto.

Por outro lado, a incerteza sobre as consequências dos alimentos transgénicos, a penalização dos ingredientes artificiais, o aumento de alergias e intolerâncias alimentares ou dificuldades digestivas são algumas das principais preocupações deste consumidor consciente e sustentável. A preocupação com a alimentação saudável mantém um crescimento contínuo nas vendas de produtos ecológicos e biológicos (mais 8,4 pontos percentuais desde 2013), ao mesmo tempo que aumenta a relutância em consumir aditivos artificiais e um excesso de carne vermelha (menos 35% no ano passado). Além disso, em três anos, 23% dos entrevistados aumentarão o seu consumo de produtos ecológicos e 13% de produtos ecológicos não frescos.

Quanto ao perfil, é um consumidor que mudou, que evoluiu para onde ele e os seus valores queriam. Um consumidor hiper informado e muito mais preocupado com a qualidade do que consome. Além disso, é menos impulsivo, mais atencioso e consciente, além de saber mais sobre o que lhe interessa, e atribui maior importância a ingredientes e componentes de qualidade. Também dá maior importância à qualidade do que à quantidade. Na verdade, prefere fazer compras menores, mas com mais frequência. Por outro lado, 61% dos consumidores acreditam que as marcas têm um papel importante no bem social.

Exportações dos vinhos portugueses ultrapassam os 580 milhões de euros até setembro

Meu Super abre nova loja em Tremês