in

TempJobs, LEMON’MATE e Breadfast vencem programa de aceleração From-Start-to-Table

TempJobs, LEMON’MATE e Breadfast foram os projectos vencedores do From Start-to-Table, o programa de aceleração da Startup Lisboa que quer apoiar novos conceitos de restauração e tecnologias que ajudem a melhorar as operações na indústria.

Os três grupos receberam prémios num total de mais de 25 mil euros para investirem nas próximas fases de implementação dos seus negócios.

Na categoria Tech, venceu a TempJobs, um marketplace de trabalhadores independentes, que funciona em tempo real. Tiago Pereira, fundador desta startup, conta que já tinha validado a ideia, mas que foi no programa que conseguiu “validar num mercado muito mais amplo e estruturar esta ideia num negócio”. Vai aproveitar o valor do prémio para continuar a contratar pessoas e levar esta solução o mais rapidamente possível para a o mercado.

Na categoria Non-Tech ganhou a LEMON’MATE, um refrigerante artesanal biológico (craft soda) com cafeína energizante, feito pela marca “Why Not”. Nils Schwentkowski, Stefanie Hunstock e Hendrik Raufmann, alemães que vivem agora na Ericeira, estão a criar a primeira marca portuguesa de refrigerante biológico artesanal e começam com este primeiro sabor: uma mistura de chá de limão e mate. “Fomos muito rápidos a desenvolver o produto e a colocá-lo no mercado, mas as pessoas não estavam a perceber o que era. O que aprendemos aqui foi posicionamento e estratégia: saber quais são os nossos clientes ‘target’ e o que vamos fazer no próximo ano”, contam.

Na categoria de Best Team venceu a Breadfast, um serviço de entrega de pequeno-almoço ao domicílio, fundada por Mário Tarouca. “Entrámos no programa porque sentíamos uma falta de ‘expertise’ no sector da restauração. Foi no programa que anunciámos um projeto piloto e estamos já a trabalhar com o apoio da Amazon Web Services, com a Delta e com a AHRESP. Tivémos muito feedback dos mentores e é agora, depois do programa, que vamos analisar tudo o que recolhemos e perceber quais os próximos passos”, explica Mário Tarouca.

Este prémio de cinco mil euros foi anunciado no evento e não estava previsto no início do programa, mas a Startup Lisboa quis destacar todo o trabalho e colaboração da Breadfast com as restantes equipas.

21 equipas apresentaram os seus projetos para o ecossistema da restauração perante um júri composto por representantes da Startup Lisboa, Sociedade Central de Cervejas, Delta Cafés, Turismo de Portugal, AHRESP, Portugal Ventures e da Mesa. De softwares de gestão para o backoffice de restaurantes ou de recursos humanos, a novos conceitos de restauração que respondem a tendências atuais, como a utilização de produtos biológicos e o slow food, houve soluções muito variadas, todas elas a desafiar as fronteiras dos conceitos tradicionais de restauração.

No evento estiveram várias entidades institucionais que reforçaram a importância do programa de aceleração da Startup Lisboa para continuar a impulsionar uma economia do turismo forte. “Este programa tem uma importância política muito grande. Num momento em que temos sucesso no turismo e na restauração, não descansamos. Também é importante sentir que Lisboa pode ser um bom palco para crescermos para o mundo inteiro. Pensar sem fronteiras, para o futuro e no que pode a restauração fazer para regenerar um território“, avançou Duarte Cordeiro, vice-presidente da Câmara Municipal de Lisboa.

O programa teve mais de 100 candidaturas de 18 países diferentes. De todos os projetos, foram escolhidos para participar no programa, 11 tech e 11 non-tech com ideias que trouxessem inovação à restauração ou melhorassem a experiência do cliente e das operações dos restaurantes. “Quisemos diferenciar-nos e trazer uma comunidade de tech e non-tech e o mercado respondeu positivamente a esta estratégia. Mas o que nos deixa ainda mais orgulhosos é o facto de sabermos que há já negociações com vista à implementação de pilotos de vários projetos com entidades parceiras ou mentores e captação de investimento de alguns projetos que participaram. Estou também muito contente com as parcerias que foram feitas entre projectos participantes“, referiu Marta Miraldes, responsável pelo programa From Start-to-Table, da Startup Lisboa. “A Startup Lisboa identificou há muito que existe uma necessidade de apoiar aqueles que querem trazer inovação ao sector. Já tínhamos um historial na área da restauração (Rice Me, Musa, Dois Corvos) e este programa foi assim o desenlace natural do caminho que temos feito para qualificar e criar inovação nesta indústria“, acrescentou Miguel Fontes, diretor executivo da Startup Lisboa.

Durante nove semanas, os 36 participantes tiveram workshops, palestras, visitas a empresas de referência do sector, como são exemplo a Zomato ou o The Decadente, e tiveram mais de 130 horas de mentoria com profissionais reconhecidos no mercado, como o chef Chakall, Rui Sanches (Grupo Multifood), Paulo Amado (Edições de Gosto), Lourenço Bruschy (Sushi At Home) ou Gil Belford (Fever). 

Para além dos três prémios em dinheiro, todos os participantes do programa terão acesso a seis meses de quotas da AHRESP e os projetos non-tech terão a possibilidade de testarem os seus conceitos, de forma gratuita e rotativa, num espaço no Mercado de Campo de Ourique. Os projetos vencedores têm acesso direto à incubação na Startup Lisboa e o valor gratuito de incubação por um período de seis meses.

Publicidade

Publicidade

As tendências dos sectores de consumo e retalho nos próximos 10 anos

Vértice é um dos vinhos mais entusiasmantes de 2018 para a internacional Decanter