in

Restauração e alojamento não sobrevivem sem apoios financeiros e rápido plano de desconfinamento

Passou um ano desde o início da pandemia de Covid-19 em Portugal e as empresas da restauração, similares e do alojamento turístico, das mais relevantes na criação de riqueza para a economia nacional, atravessam o seu período mais crítico. “É urgente que novos apoios cheguem às empresas, de forma ampla e imediata“, apela a AHRESP em comunicado, onde apresenta as conclusões do inquérito, do mês de fevereiro, que contou com 964 respostas válidas.

Os números do inquérito de fevereiro mostram, uma vez mais, que é absolutamente necessário que os apoios financeiros cheguem de forma urgente às empresas“, acrescenta.

Finalmente, a AHRESP considera não menos relevante a necessidade de se conhecer, com urgência, as condições que serão apresentadas no plano de desconfinamento, permitindo às empresas a organização e preparação atempada da retoma das suas atividades, em completa segurança.

 

Restauração e similares

52% das empresas indica estar com a atividade totalmente encerrada e 34% pondera avançar para insolvência, dado que as receitas realizadas e previstas não permitirão suportar todos os encargos que decorrem do normal funcionamento da sua atividade.

Para as empresas inquiridas, a quebra de faturação do mês de fevereiro foi “avassaladora”: 83% das empresas registaram perdas acima dos 60%.

Como consequência da forte redução de faturação, 18% das empresas não conseguiu efetuar o pagamento dos salários em fevereiro e 14% só o fez parcialmente.

Perante esta realidade, 38% das empresas já efetuou despedimentos desde o início da pandemia. Destas, 19% reduziu em mais de 50% os postos de trabalho a seu cargo. 11% das empresas assume que não vai conseguir manter todos os postos de trabalho, até ao final do mês de março.

Alojamento turístico

Em fevereiro, 56% não registou qualquer ocupação e 27% indicou uma ocupação até 10%. Para o mês de março, 53% das empresas estima uma taxa de ocupação zero e 24% das empresas perspetiva uma ocupação máxima de 10%.

27% das empresas indica estar com a atividade suspensa e 16% das empresas pondera avançar para insolvência por não conseguir suportar todos os normais encargos da sua atividade.

Para as empresas inquiridas, a quebra de faturação do mês de fevereiro foi “devastadora“: 57% das empresas registou perdas acima dos 90%.

Como consequência da forte redução de faturação, 32% das empresas não conseguiu efetuar pagamento de salários em fevereiro e 8% só o fez parcialmente.

Ao nível do emprego, 30% das empresas já efetuou despedimentos desde o início da pandemia. Destas, 36% reduziu em mais de 50% os postos de trabalho a seu cargo. 5% das empresas assume que não vai conseguir manter todos os postos de trabalho, até ao final do mês de março.

Publicidade

Panidor

Panidor lança novidade destinada aos mais jovens

Insolvências

Insolvências com aumento de 32% em fevereiro face a 2020