in ,

Recursos patrimoniais e gastronomia em destaque no Prémio Cinco Estrelas Regiões

Já estão apurados os vencedores do Prémio Cinco Estrelas Regiões para 2019. Entre recursos patrimoniais, atrações culturais, gastronomia, hotelaria e produtos e serviços de âmbito local, foram distinguidos 186 vencedores.

O Prémio Cinco Estrelas Regiões reconhece e valoriza destinos, atrações turísticas e negócios locais de alta qualidade para os consumidores, traçando um roteiro do que melhor há em Portugal.

Nesta segunda edição, cerca de 222.900 portugueses votaram e avaliaram mais de 100 ícones regionais de interesse nacional e mais de 400 marcas regionais. Foram os sítios e património que mais vencedores tiveram, com 47 prémios atribuídos a aldeias e vilas, monumentos, praias, reservas, paisagens e barragens e serras e montanhas. Segue-se a gastronomia, com 34 prémios distribuídos nas categorias de cozinha tradicional, doçaria, queijos e vinhos. A hotelaria fecha o top 3 dos sectores mais votados, com 20 prémios espalhados de norte a sul do país.

A nível regional, retirando os grandes centros urbanos de Lisboa e Porto, destacaram-se Coimbra e Leiria, que levaram 13 prémios cada, com distinções à Serra da Lousã, Piódão e Pastel de Tentúgal, em Coimbra, e à Reserva Natural das Berlengas, Mosteiro da Batalha e  Museu da Cerâmica, em Leiria. A totalidade dos vencedores está disponível em https://r.cinco-estrelas.pt/vencedores-2019/.

O Prémio Cinco Estrelas Regiões baseia-se no conceito e sistema de avaliação do Prémio Cinco Estrelas e tem como objetivo não só reconhecer empresas portuguesas que se diferenciam a nível regional, mas também identificar o que de melhor existe em Portugal ao nível de recursos naturais, gastronomia e vinhos, arte e cultura, monumentos e património, aldeias e vilas, outros ícones de referência e interesse nacional.

A cerimónia de entrega de prémios irá realizar-se no 17 de maio, no Solar do Vinho do Dão, em Viseu.

Leroy Merlin Braga inaugura loja de materiais de construção

Líderes das maiores empresas europeias pedem medidas urgentes para enfrentar os desafios do século XXI