in

Recuperação no consumo fora de casa faz crescer mercado de snacks e bebidas

A maior liberdade, após os confinamentos, fez com que o valor das vendas de snacks e bebidas fora de casa (OOH) aumentasse 49%, em todo o mundo (segundo trimestre de 2021 versus homólogo de 2020), enquanto o consumo dentro de casa manteve os ganhos obtidos com o confinamento.

Ainda há muito espaço para crescer no terceiro trimestre, nomeadamente através do canal Horeca, que é o que oferece maior oportunidade de reconstruir a sua quota de valor.

A análise da Kantar revela que o segundo trimestre teve uma recuperação impressionante, com vendas trimestrais totais de 30,7 mil milhões de dólares. A recuperação foi liderada pelos mercados europeus. Mercados como o Reino Unido e a Espanha viram o valor OOH crescer 176% e 147%, respetivamente.

 

Café e refrigerantes impulsionam recuperação

As vendas totais de bebidas não alcoólicas aumentaram 67% em valor para consumo fora do lar, em comparação com o aumento de 1% para consumo doméstico. Os snacks, que foram mais resilientes durante os confinamentos, também aumentaram 29% para o OOH, com uma ligeira queda dentro de casa (-2%).

Os grandes vencedores foram café (+150%) e os refrigerantes (+63%), que foram as categorias de crescimento mais rápido no consumo fora do lar, a nível global. O aumento de 150% nas vendas de café (2,8 mil milhões de dólares no segundo trimestre deste ano, 1,7 mil milhões de dólares a mais do que no segundo trimestre de 2020) foi em grande parte liderado pela Europa, responsável 93% do crescimento do consumo.

 

Níveis pré-pandemia

Apesar desses aumentos, o consumo fora de casa ainda tem um longo caminho a percorrer antes de voltar à sua participação pré-pandemia no mercado total.  A maior lacuna pode ser observada no Brasil, onde os consumidores fizeram apenas 2,4 visitas em média no último trimestre, em comparação com 3,5 no segundo trimestre de 2019.

Embora a participação do OOH em valor esteja agora em 33% globalmente, ante 24% no segundo trimestre de 2020, ainda está substancialmente abaixo do segundo trimestre de 2019, quando representou 41% das vendas globais de snacks e bebidas não alcoólicas. Espanha, por exemplo, com sua tradição de consumo fora de casa, tem agora 36% de participação para o OOH, em comparação com 47% no pré-pandemia.

As oportunidades de crescimento são ainda maiores na América Latina e na região APAC, que ainda não igualaram o desempenho.

O único mercado onde os números de OOH são maiores do que os da pré-pandemia é a China, onde representa agora de 49% do mercado total, em comparação com 47% no mesmo trimestre de 2019.

 

 3.º trimestre

No terceiro trimestre, o canal Horeca será fundamental para levar o consumo fora de casa de volta aos níveis pré-pandémicos. O segundo trimestre viu um forte crescimento nas vendas em valor neste canal – aumento de 146% no comparativo anual e 440% no Reino Unido -, mas a sua participação no mercado OOH permaneceu sete pontos abaixo face ao segundo trimestre de 2019.

O canal com melhor desempenho, globalmente, durante o segundo trimestre foi o sector de restaurantes de serviço rápido do Reino Unido, que até superou 2019. A combinação de acessibilidade, opções bem desenvolvidas de entrega de refeições e take-away e a sua versatilidade, em termos de ocasiões de consumo, ajudaram a aumentar o valor em 60% em relação ao ano anterior e em 45% em comparação com o período anterior à Covid-19.

Com a reabertura do Food Service, observou-se também um forte crescimento dos restaurantes full-service, com destaque para os independentes. Ainda estão a registar vendas bem abaixo dos níveis pré-Covid, no entanto, a Kantar espera ver taxas de crescimento ainda mais impressionantes neste canal nos próximos meses.

Publicidade

Frutorra

Frutorra lança novas misturas de frutos secos e fruta desidratada

Projeto MENU oferece refeições à base de macroalgas da costa portuguesa