in

Quinta da Biaia apresenta “rebranding” e novos vinhos

A Quinta da Biaia apresenta uma imagem que reflete os seus elementos identitários: a quinta, a altitude e o modo de produção biológico.

O novo portfólio tem agora 12 vinhos, que são uma expressão natural do terroir da Beira Interior. “Pretendíamos marcar o lançamento dos primeiros vinhos da Quinta da Biaia em que vinificámos toda a nossa produção (120 toneladas), em adega autónoma, em 2019. Um desafio que esteve intimamente associado ao estabelecimento da parceria com a Vinalda, enquanto nosso distribuidor, em setembro do ano passado”, afirma Ricardo Lopes Ferro, sócio e gestor do projeto.

A empresa tem hoje três acionistas, duas famílias (Flor e Lopes Ferro), ligadas por uma profunda e longa amizade e detentoras da união das propriedades constituintes da Biaia, com uma tradição familiar de viticultura desde há gerações, e o enólogo Luís Leocádio, com quem comungam valores e visão.

Quinta da Biaia - Carlos Flor, Ricardo Lopes Ferro e Luis Leocádio
Carlos Flor, Ricardo Lopes Ferro e Luis Leocádio

Terroir

A produção biológica, o seu terroir, bem como o enquadramento pelos rios Douro, Côa e Águeda, imprimem um perfil único aos vinhos da Quinta da Biaia. “Privilegiamos o espírito, a frescura e acidez natural. Os nossos vinhos exprimem a nossa terra”, adianta Luís Leocádio.

A Quinta da Biaia tem cerca de 100 hectares, sendo 29 hectares de vinha, e fica situada entre as encostas de Castelo Rodrigo e a Serra da Marofa. Castelo Rodrigo está assente no extremo este da Serra da Marofa, alinhamento que atinge os 977 metros na elevação adjacente.

A Serra da Marofa caracteriza a paisagem da Quinta da Biaia, emoldurando as encostas onde estão distribuídas as vinhas. Por outro lado, constitui uma barreira natural que a protege dos ventos marítimos, potenciando as desejadas amplitudes térmicas que dão origem a vinhos fortemente influenciados pela altitude e pelo clima agreste (frio, amplitudes térmicas, baixa precipitação, elevada insolação).

Estas vinhas, plantadas com as castas características da região, estão a uma altitude média de 750 metros dando origem a vinhos com uma forte acidez, que é a sua espinha dorsal. A quinta está certificada para a produção em modo biológico até à vinificação, o que potencia todas as suas características singulares e perfil. “Desta forma, a Serra da Marofa é determinante para as nossas vinhas e para os nossos vinhos”, explica Ricardo Lopes Ferro. “A nova imagem, elaborada pelo atelier da Rita Rivotti, procura transmitir elementos identitários, como o conceito de vinhos de altitude com a Serra da Marofa e a cor das nossas terras argilosas e de granito amarelo”.

Vinhos

O vinho Biaia, entrada de gama, permite de forma acessível conhecer os vinhos da Quinta da Biaia, produzidos em modo de produção biológica, com assinalável frescura, mineralidade e acidez.

A série Quinta da Biaia – 750 pretende realçar o carácter único destes vinhos, provenientes das vinhas mais altas de Portugal Continental, traduzindo o seu perfil identitário.

Os vinhos Quinta da Biaia – Reserva, com uma imagem mais sóbria, pretendem transmitir a elegância associada à tradição dos melhores vinhos de altitude do Velho Mundo.

Os vinhos Quinta da Biaia – Single Vineyard “Fonte da Vila” remetem para as primeiras marcas da presença dos Monges de Cister na região, responsáveis por trazerem a produção de vinho para Portugal. A Fonte da Vila foi construída nessa época no meio das terras da Biaia, pelo que estes vinhos pretendem partilhar toda a história do vinho e dos seus artesãos no terroir da Beira Interior.

O Quinta da Biaia Late Harvest, com a cor do rótulo e o perfil da garrafa, remete para a origem das uvas deste vinho, provenientes de solo argilo-limosos, e para o seu perfil elegante.

Publicidade

Minipreço

Aposta nos frescos e medidas de transformação potenciam crescimento do Grupo DIA em Portugal

Natal

Disrupção nas tradições de Natal com implicações para o retalho