in

Mercadona abre em Setúbal a 28 de junho

A Mercadona vai abrir, no dia 28 de junho, o seu supermercado de Setúbal, localizado na Avenida Mestre Lima de Freitas. A abertura desta nova loja marca a chegada da Mercadona a um novo distrito, depois de ter iniciado a sua expansão pela zona norte de Portugal, em julho de 2019, onde abriu a sua primeira loja em Canidelo, no concelho de Vila Nova de Gaia.

Além de Setúbal, a empresa pretende abrir, ainda este ano, mais sete supermercados, nomeadamente, no Montijo, em Santarém, nas Caldas da Rainha, em Santa Maria da Feira, em Oeiras, em Viseu e em Braga, sendo que este último abre já no próximo dia 7 de junho. Terminará o ano com 39 lojas em território nacional.

Para este supermercado, a Mercadona contratou cerca de 65 colaboradores que atualmente se encontram em formação nas lojas do norte do país, havendo ainda vagas disponíveis para diversas lojas da cadeia. Todas as ofertas estão atualizadas na secção de emprego em www.mercadona.pt/pt/emprego.

 

Mercadona em Portugal

A empresa abriu o seu primeiro supermercado a 2 de julho de 2019, em Canidelo, e atualmente conta com 31 lojas nos distritos do Porto, Braga, Aveiro e Viana do Castelo. Em 2021, atingiu um volume de vendas de 415 milhões de euros e pagou 62 milhões de euros em impostos através da empresa portuguesa Irmãdona Supermercados, sediada em Vila Nova de Gaia. Além disso, finalizou o ano com uma equipa de 2.500 colaboradores e um investimento em Portugal de 110 milhões de euros.

Com o objetivo de partilhar com a sociedade parte do que dela recebe, a Mercadona aumentou, em 2021, as doações a cantinas sociais, bancos alimentares e outras instituições de solidariedade social, tendo doado um total de 1.400 toneladas de bens essenciais em território nacional.

Para 2022 a empresa prevê investir 150 milhões de euros em Portugal, com a abertura de mais 10 lojas, seis das quais em cinco novos distritos: Viseu, Leiria, Santarém, Setúbal e Lisboa.

NACEX

Nacex inicia migração da frota e espera ter 75% de veículos de baixas emissões até 2023

Poder de compra Portugal

42% dos portugueses revela que o seu poder de compra diminuiu nos últimos 12 meses