in

Índia registará um forte crescimento em 2022

A Crédito y Caución prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) da Índia registe um forte crescimento de cerca de 8%, em 2022, num contexto em que a redução das taxas de juro, o aumento da despesa pública e o incremento da vacinação estão a favorecer o consumo interno.

Contudo, a seguradora de crédito alerta para os riscos de baixa nas perspetivas económicas do país, principalmente, para a atual propagação de novas variantes do coronavírus. No final de 2021, apenas 64% da população adulta da Índia estava totalmente vacinada. Nos próximos meses, o impulso de crescimento económico do país dependerá da capacidade de travar a propagação do vírus e da vacinação da população em falta.

A Crédito y Caución prevê que o consumo interno cresça 10%, este ano, se no final do segundo trimestre cerca de 80% da população já estiver totalmente vacinada. O investimento crescerá cerca de 7% neste exercício. No entanto, a taxa de utilização da capacidade industrial, 20 pontos abaixo do nível ótimo, põe em causa a sustentabilidade deste impulso investidor. Os balanços empresariais ainda debilitados e as instituições financeiras indianas poderiam conduzir a um abrandar do crescimento do investimento.

 

Pós-pandemia difícil

As finanças públicas da Índia deterioraram-se com a pandemia. O défice orçamental ascenderá a cerca de 7% do PIB, no ano fiscal de 2021-22. A Crédito y Caución prevê que, a partir de março, o país inicie uma consolidação fiscal gradual que reduza o défice a 6% para o próximo exercício.

A dívida pública manter-se-á em torno dos 60% do PIB. O aumento dos preços mundiais da energia e as contínuas interrupções na oferta estão a elevar a inflação, pelo que é de esperar uma subida moderada nas taxas de juro, ao longo do ano. Este endurecimento monetário em 2022 poderá travar a capacidade de reembolso das empresas.

O sector bancário indiano continua sob pressão, devido ao elevado volume de ativos improdutivos resultantes do impacto adverso da pandemia. Estes concentram-se nos bancos públicos, que representam mais de 70% do sector bancário nacional. No entanto, o apoio público está a mitigar os riscos financeiros do país.

Publicidade

Date no Lidl

Lidl sorteia jantar à luz das velas numa das suas lojas

Repsol El Corte Inglés

El Corte Inglés e Repsol renovam parceria com cartões de descontos