in

Guerra vai travar o crescimento global

Foto Shutterstock

De acordo com as estimativas da Crédito y Caución, a guerra na Ucrânia vai reduzir sete décimas no crescimento mundial, em 2022, e quatro, em 2023.

A proximidade geográfica será um fator determinante para o impacto, especialmente intenso na Europa de Leste. A queda do crescimento na Zona Euro também será maior que nos Estados Unidos ou na Ásia.
Neste contexto, a seguradora de crédito prevê que o crescimento mundial continue a ser relativamente sólido: 3,4%, em 2022, e 3,2%, em 2023. O crescimento da Ásia será de cerca de 5% em ambos os exercícios, enquanto a Zona Euro e os Estados Unidos irão crescer ligeiramente abaixo da média mundial.

A guerra condicionará o crescimento, mas a recessão continua a estar longe, inclusive na Zona Euro. Esta avaliação do impacto, sujeita a um elevado nível de incerteza, baseia-se em dois pressupostos: que o conflito bélico não se prolongue para lá de 2022 e que as sanções sejam reforçadas, mas não até ao ponto de interromper totalmente as exportações de energia russa.

 

Exportações

A Rússia e a Ucrânia não são gigantes económicos, mas mantêm uma participação relativamente importante no comércio global de matérias-primas essenciais para o fabrico de conversores catalíticos, aço, baterias, semicondutores ou aviões. Conjuntamente, têm um grande peso na oferta global de trigo (30% das exportações mundiais), óleos vegetais (22%), milho (20%) ou cevada (20%). A Rússia é também um fornecedor-chave de fertilizantes (13%), níquel (12%), platina (13%), petróleo e gás (10%).

A interrupção massiva destes fluxos elevou os preços da energia em um terço, desde o final de fevereiro, duplicando já os níveis de há um ano. Os preços não energéticos subiram 15%, face aos níveis anteriores à guerra, e 40%, em relação ao início de 2021. Estas subidas, que se produzem pela elasticidade da oferta a curto prazo, agravam o principal problema subjacente à recuperação da economia em 2021: a inflação.
A Rússia é o segundo produtor mundial de petróleo. A ameaça de sanções às exportações de hidrocarbonetos e a incerteza em torno dos fornecimentos estão a exacerbar a atual tensão do mercado. Enquanto a guerra continuar, estes preços manter-se-ão elevados e, possivelmente, mais elevados ainda, com importantes consequências para a economia mundial”, alerta a seguradora de crédito.

O preço do gás europeu, que neste momento é o mais volátil da região, foi quase 600% mais elevado em março de 2022 que no mês homólogo de 2021. Vários países europeus estão a esforçar-se por reduzir as importações de gás da Rússia e a Lituânia converteu-se no primeiro país da União Europeia a cortar completamente o fornecimento de gás russo.

Publicidade

Folar de Carne Continente - Economia Circular

Folar de Carne que combate o desperdício à venda no Continente

Novos órgãos sociais da CCP eleitos para o quadriénio 2022-2025