in ,

E-commerce em Portugal acelera por causa pandemia de Covid-19

Foto Shutterstock

A ACEPI – Associação da Economia Digital, anuncia, no âmbito Portugal Digital Summit’20, as principais conclusões da edição de 2020 do seu estudo “Economia e Sociedade Digital em Portugal”, desenvolvido em parceria com a IDC desde 2009. Indicadores que revelam a forte penetração da Internet em Portugal, com valores próximos da média europeia, crescimento do número de compradores online, do volume e frequência das compras e aceleração da transformação digital dos negócios das empresas em 2019.

O valor do comércio eletrónico B2C + B2B, em 2019, em Portugal, situou-se nos 96 mil milhões de euros. Para 2020, estima-se um novo crescimento até aos 110,6 mil milhões de Euros, alavancado pelo impacto da pandemia de Covid-19, que mudou profundamente os hábitos dos consumidores e transformou empresas e negócios.

 

População portuguesa mais digital

A utilização da Internet continuou a crescer, ao longo dos últimos anos, e, em 2019, a penetração atingiu os três quartos dos portugueses. Já considerando o efeito da pandemia, prevê-se que, em 2020, a penetração da Internet atinja os 81% da população.

O Norte, Centro e Alentejo são as regiões do país que apresentam as menores taxas de penetração na utilização da Internet.

Mais de metade dos internautas fez compras online (51%) em 2019, estimando-se que esse valor cresça para 57% em 2020, devido à pandemia.

A pandemia é também responsável pela alteração de comportamentos de compra online: cerca de 60% dos compradores online afirmam ter aumentado o valor das suas compras através da Internet

A intensidade de compras na Internet aumentou, com 73% dos compradores online a fazer em média mais do que 3 a 5 vezes compras por mês. Compra-se agora mais em lojas online portuguesas e menos em sites estrangeiros, o que terá também a ver com a existência de mais lojas online portuguesas.

 

Destaque para produtos alimentares e refeições

Nas categorias de compras online destacam-se, agora, as refeições entregues ao domicílio, que no ano anterior não tinham expressão, e os produtos alimentares e bebidas, que este ano refletem a alteração comportamental dos portugueses provocada pela pandemia.

Também as categorias de equipamentos para utilizar em casa – tanto informáticos, como eletrodomésticos – registaram crescimentos acentuados. Nos serviços digitais, destacou-se a categoria de filmes e as séries.

A experiência de compra online é determinante para as lojas portuguesas evoluírem e captarem cada vez mais consumidores online, quer em Portugal, quer fora do país. A eficácia das modalidades de pagamento, o conteúdo e transparência da informação, os métodos de entrega e o carrinho de compras flexível e intuitivo das lojas portuguesas, são considerados muito bons, demonstrando a evolução das lojas nacionais nestas áreas.

Os compradores online em Portugal, na sua grande maioria, confiam nos serviços digitais e nas lojas online, existindo cada vez menos receio na sua utilização.

As entregas em horários definidos e as entregas no mesmo dia ou no dia seguinte são consideradas muito relevantes pelos portugueses.Os pagamentos por referência Multibanco continuam a ser o método preferido, mas verifica-se já o crescimento do MBWay e de outras “wallets” eletrónicas.

O Estudo da ACEPI/IDC estima que o valor do comércio eletrónico B2C (compras realizadas por consumidores portugueses) tenha ultrapassado os seis mil milhões de euros em 2019, representando atualmente 2,9% do valor do Produto Interno Bruto (PIB). Para 2020, estima-se que o valor do B2C alcance quase os oito mil milhões de euros.

 

Empresas reforçam presença na Internet

A percentagem de empresas com presença na Internet é agora 60% do número total de empresas, sendo que, no estudo anterior, apenas 40% das empresas tinham presença online.

Este crescimento, muito significativo, deve-se, sobretudo, ao aumento da presença na Internet das micro e pequenas empresas (que representam a maioria do tecido empresarial português), face ao ano anterior, respetivamente de 30% para 48% e de 53% para 76%.

A escolha do domínio .pt pretende, maioritariamente, identificar que a origem da empresa e/ou que a origem dos seus produtos ou serviços é portuguesa.

Das empresas com presença na Internet, 82% afirmou possuir um domínio próprio e 76% referiu ter um ou mais websites desenvolvidos. O crescimento do volume das empresas com página nas redes sociais, face ao ano anterior, é significativo, situando-se atualmente nos 76%. Metade das empresas tem presença em marketplaces, revelando-se ser esta uma abordagem comercial interessante, sobretudo para as pequenas empresas.

 

Alavanca de crescimento e internacionalização

Quando se trata de comércio eletrónico, a taxa de empresas de grande dimensão que vende online situa-se nos cerca de 52% (27% para o total de empresas).

Quando questionadas sobre a perspetiva de evolução do comércio eletrónico, cerca de metade das empresas referiu que prevê um crescimento.

As empresas que têm o comércio eletrónico como uma forma de exportar online os seus produtos e serviços indicaram que os países que possuem um maior peso no volume do comércio eletrónico são a Espanha e a França, com um peso próximo dos 40%, logo seguidos do Reino Unido e dos PALOP.

A grande maioria das empresas que realiza comércio eletrónico ainda não integra a loja física com a loja online, mas cerca de 25% das empresas já faz esta integração.

O investimento das empresas em marketing online continua a crescer, sendo os canais mais utilizados e com maior taxa de satisfação as redes sociais, o e-mail e a publicidade em motores de pesquisa.

O Estudo da ACEPI/IDC estima que o valor do comércio eletrónico B2B/B2G em Portugal (vendas de empresas a outras empresas ou ao Estado) ultrapasse os 103 mil milhões de euros em 2020.

Publicidade

Champô sólido

Garnier Ultra Suave lança novos champôs sólidos

SunArt

Auchan vende restante negócio na China ao Alibaba