in ,

E-commerce de moda em alta após a pandemia

A pandemia provocada pela Covid-19 provocou uma queda numa grande parte dos sectores de mercado. Agora, nota-se uma certa recuperação nos negócios, principalmente na categoria de moda. Esta é uma das conclusões de uma pesquisa do Eurostat sobre o consumo online, em 2021, onde 90% das pessoas com idades entre os 16 e os 74 anos utilizou a Internet na União Europeia, sendo que destas 74% fez compras online. Portugal está bem abaixo da média, com 62%.

As compras online aumentaram um ponto percentual (p.p.) em relação a 2020 e 11 p.p. face a 2016. No caso de Portugal, em 2021, o crescimento foi de 19%, face a 2016, e de 6%, relativamente a 2020.

Relativamente às categorias de produto, observou-se um aumento na percentagem de inquiridos ​​que afirmaram ter comprado roupa pela Internet, para exatamente 68%. Em 2020, apenas 40% dos utilizadores europeus comprou moda online. Isso fez com que a moda liderasse o ranking dos sectores com mais procura em 2021.

Depois da moda, em segundo lugar, está a restauração, com 31%. Em terceiro lugar no pódio do consumo online na Europa está a decoração, categoria em que 29% dos internautas europeus fez compras.

Os cosméticos são a quarta categoria: 27% dos consumidores online europeus comprou  maquilhagem, perfumaria ou cosmética, em 2021, pela Internet. 25% comprou livros ou revistas, 24% artigos desportivos (excluindo moda), 23% eletrónica e 20% compraram produtos infantis.

Holanda com maior penetração de consumo online

A Holanda foi considerada o país com maior número de utilizadores que fizeram compras online: 94%. Abaixo estão a Dinamarca (92%) e a Suécia (89%). Os países com menor incidência foram a Roménia (44%) e a Bulgária (42%).

A República Checa foi um dos países que registou um maior aumento anual. Em 2021, obteve uma percentagem de 80%, face os 56% de 2020.

Publicidade

Primark

Primark vai abrir um café dentro da loja

Bricomarché

Bricomarché chega a Lisboa com novo conceito de loja urbana