in

Constantinos entrega bacalhau ao domicílio

A Constantinos criou uma solução para que os portugueses tenham um acesso facilitado ao bacalhau.

O serviço “Levamos o Bacalhau à sua Porta!” cumpre todas as recomendações da Direção Geral da Saúde (DGS) relativas ao coronavírus, facilitando, assim, o acesso em confinamento a entregas de bacalhau em todo o Portugal Continental, com entrega gratuita na porta do cliente.

As referências de bacalhau disponíveis são as Migas de Paloco do Pacífico 400 gr. – 2€/unidade, Migas de Bacalhau do Pacífico 400 gr. – 3€/unidade, Migas de Bacalhau 400 gr. – 3,60€/unidade, Lombos de Bacalhau – 12,99€/Kg, Bacalhau Crescido Cortado – 9,49€/Kg, Bacalhau Graúdo Cortado – 9,99€/Kg, Bacalhau Especial Cortado – 10,99€/Kg, Caras de Bacalhau – 3,99€/Kg e Línguas de Bacalhau 500 gr. – 6,50€/unidade.

Apesar de ser esta a lista de referências disponíveis para entrega, o cliente poderá sempre solicitar outras referências que gostaria de adquirir, com a empresa a tentar ir, dentro do que for logisticamente possível, de encontro às suas necessidades.

As referências disponíveis encontram-se para consulta em
https://bit.ly/bacalhauemcasa e as encomendas devem ser efetuadas via e-mail compras@constantinos-sa.com, através do telefone 261 950 010 ou, ainda, através da página de Facebook da marca.

As entregas serão feitas mediante pré-pagamento, via referência Multibanco, ou por transferência bancária, com a forma de pagamento antecipado a garantir, assim, a ausência de contacto social.

Todas as encomendas serão manuseadas, segundo as normas de segurança e exigência do  estado de emergência atualmente em vigor e serão deixadas à porta da morada indicada pelo cliente, sem ter que existir qualquer contacto social. Toda a explicação pormenorizada de como funciona este serviço está em www.constantinos-sa.com.

As encomendas devem perfazer um valor mínimo de encomenda no valor de 35 euros, estando sujeitas ao stock existente.

Sagres, Sagres Radler e Bohemia com ouro no Monde Selection 2020

Como a Covid-19 está a mudar o consumo e a relação com as marcas?