in

Ministério da Agricultura apoia escoamento da produção local

Foto Shutterstock

O Ministério da Agricultura começou a apoiar os agricultores a escoarem os seus produtos e lançou uma campanha destinada a promover o seu consumo.

Começámos a sentir, em alguns sectores, problemas no escoamento dos produtos por diversas razões”, afirmou Maria do Céu Albuquerque, ministra da Agricultura, em declarações à Lusa.

No âmbito da campanha, o Governo  pediu também às grandes superfícies e cadeias de distribuição para reforçarem as suas encomendas junto dos produtores locais, ajudando a fazer o escoamento dos seus produtos.

As maiores dificuldades de escoamento são nas carnes de raças autóctones, cuja produção foi programada para dar resposta, durante a Páscoa, ao consumo das famílias e que, “por estarem confinadas e não se juntarem, não estão a consumir”, e nos queijos, enchidos e outras carnes processadas, devido ao encerramento do canal Horeca. Também nas frutas sem casca e nos legumes consumidos em cru há problemas de escoamento, não só “por serem perecíveis, mas também pelo receio infundado no seu consumo”.

Nesse sentido, foi publicada uma portaria para promover e agilizar os canais de comercialização dos produtos locais, alargando as possibilidades de escoamento. Além disso, o Governo estabeleceu um apoio de 48 euros diários, para apoiar as deslocações dos agricultores até aos mercados locais ou pontos de entrega.

No âmbito das medidas excecionais previstas na portaria, foi alargada abrangência das entidades que dinamizam esses mercados, como câmaras municipais, juntas de freguesia ou organizações de produtores, e concedidos apoios para a adaptação dessas infraestruturas dentro dos concelhos ou em concelhos da mesma comunidade intermunicipal. A despesa elegível para efeitos do apoio oscila entre os 500 e os 50 mil euros, no caso das cadeias curtas, e entre cinco mil e 100mil euros para mercados locais.

O Ministério da Agricultura enviou, ainda, uma carta a todas as comunidades intermunicipais e Associação Nacional de Municípios Portugueses a sensibilizar para a necessidade de se reabrirem os mercados municipais e locais, dentro das regras de segurança alimentar exigidas.

Maria do Céu Albuquerque anunciou ainda que o Governo está a trabalhar com os Grupos de Ação Local na criação de uma plataforma nacional que ligue quem consome e quem vende. “É mais uma ferramenta para dinamizar o escoamento dos produtos locais”, tendo em conta os novos hábitos de consumo a partir da Internet criados pela pandemia.

Publicidade

Teletrabalho como tendência futura

Nivea

Covid—19 impacta vendas da Beiersdorf