in

Covid—19 impacta vendas da Beiersdorf

Foto Shutterstock

A Beiersdorf prevê que a pandemia por Covid-19 tenha um impacto significativo no seu negócio em 2020. Os valores preliminares mostram que as vendas comparáveis caíram 3,6% no primeiro trimestre fiscal, em comparação com o mesmo período do ano anterior, para os 1.990 milhões de euros.

A divisão de consumo vendeu 1.580 milhões de euros, menos 3,3%, enquanto o negócio Tesa retrocedeu 5,1%, para os 329 milhões de euros.

A multinacional alemã, proprietária de marcas como Nivea, La Prairie e Eucerin, reconhece que ainda não é possível projetar o potencial impacto económico causado pela Covid-19 no desempenho de 2020. É pouco provável que se alcancem os objetivos estabelecidos nas previsões da empresa conhecidas a 3 de março, pelo que estas foram retiradas. “Dada toda a incerteza do impacto e das consequências do coronavírus, atualmente, não podemos avançar com uma previsão fiável sobe o desempenho da companhia em 2020”, indica  Stefan De Loecker, CEO da Beiersdorf.

O gestor relembra, contudo, que a empresa atuou de forma precoce, tomando medidas globais que lhe permitiram continuar a operar nestas condições desafiantes. “Estamos confiantes de que sairemos desta crise com uma posição fortalecida”, conclui.

Publicidade

Ministério da Agricultura apoia escoamento da produção local

Imperial aumenta produção de tabletes em 30%