in

 CAP lança serviço de apoio aos agricultores

Porque a agricultura não para e as empresas agrícolas têm de continuar a trabalhar para  garantir a produção, o abastecimento da cadeia de distribuição e o alimento a toda a população, a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) lançou um serviço telefónico – 217 100 000 – para recolher e prestar informação à comunidade e aos agricultores.

A linha de atendimento tem como objetivo esclarecer os agricultores e a comunidade sobre todas as questões que tenham relativamente às condições de funcionamento das suas empresas neste período excecional, assim como ao acesso às medidas que foram, entretanto, anunciadas para fazer face a este período conturbado.

 A linha de atendimento telefónico será assegurada pelos técnicos especialistas da CAP e servirá igualmente para a confederação recolher, diretamente do terreno, informação sobre as principais dificuldades com que os agricultores e comunidades rurais se debatem na sua atividade diária, de forma a informar o Governo e, assim, garantir o funcionamento do sector agrícola e da cadeia de abastecimento nacional.

 Adicionalmente, a CAP estenderá este serviço de apoio e de prestação de informação aos seus meios digitais. Nomeadamente, na sua página de Facebook, irá disponibilizar informações relevantes e responder a questões que aí sejam colocadas. Na sua conta de Twitter, poderá também prestar esclarecimentos e enviar notas e alertas relevantes. “Entendemos, neste momento especialmente dramático e que convoca todos os agricultores e a comunidade rural no geral, que é de fundamental importância garantir linhas diretas de comunicação e de proximidade com todos os intervenientes que estão no terreno a dar o seu melhor e a assegurar que a atividade agrícola não para, apesar das circunstâncias. Queremos garantir que todas as dificuldades sentidas no terreno são ouvidas, registadas e encaminhadas no sentido de que seja salvaguardado o funcionamento da cadeia de produção e de abastecimento. Da mesma forma, é nossa missão ajudar a comunidade e os agricultores a terem acesso a informação vital para a sua atividade, nomeadamente sobre os instrumentos e medidas a que podem recorrer neste contexto de graves dificuldades económicas resultantes do surto”, afirma Luís Mira, secretário-geral da CAP.

A linha de atendimento telefónico funcionará todos os dias úteis, de segunda a sexta-feira, entre as 9 e 17 horas.

 

Possíveis atrasos nas sementeiras

A CAP manifestou também a sua preocupação com o facto das sementeiras, como as de tomate e milho, poderem não vir a ser feitas a tempo, nos próximos meses. Citado pelo Correio da Manhã, Luís Mira assegura que o abastecimento de produtos agrícolas ainda não regista problemas, mas poderá “não haver o que colher” se as sementeiras não forem feitas na altura própria.

Já a Confagri está apreensiva na capacidade de escoamento de alguns produtos. De acordo com a secretária-geral, Aldina Fernandes, “o encerramento da restauração e similares e a diminuição de venda nos mercados locais levou a que muitas pequenas queijarias encerrassem ou diminuíssem a compra de leite, por não terem escoamento nem capacidade de armazenamento”.

Publicidade

McDonald’s e Aldi criam parceria para partilha de funcionários

A ascensão das alternativas baseadas em plantas