in

Toyota Caetano Portugal com o melhor ano de encomendas

A atividade de empilhadores da Toyota Caetano Portugal manteve a sua tendência de crescimento, tendo, inclusive, registado o melhor ano de sempre em termos de encomendas de equipamentos novos , desde porta-paletes e stackers elétricos a empilhadores retráteis, preparadores de encomendas, rebocadores e empilhadores contrabalançados diesel, gás e elétricos.

Ao nível da receita, a faturação conjunta de todas as áreas de negócio – novas, usadas, aluguer, assistência – cresceu 4,5% em comparação com o mesmo período do ano anterior.

As projeções para 2020 apontam para maiores desafios, com uma desaceleração no crescimento do mercado. “Teremos que potenciar as nossas forças. Acreditamos que os novos produtos e soluções que iremos lançar em 2020 darão resposta às melhorias identificadas pelos clientes e às necessidades que estão a surgir no mercado”, pode ler-se no comunicado

A inovação e novas tecnologias vão continuar associadas à marca, estando previsto o lançamento de novos modelos de porta-paletes, que otimizam as potencialidades da tecnologia de iões de lítio.

A Toyota continua a crescer na sua visão de conectividade, estando também previsto, para breve, o lançamento de novas funcionalidades na solução I_Site de gestão de frotas, tal como a identificação/controlo de zona, que irá trazer informação útil para uma gestão mais consciente.

Sustentabilidade e alterações climáticas vão estar na ordem do dia em 2020. Sobre este assunto há também melhorias com o novo motor do empilhador Toyota Tonero a cumprir o nível de emissões da fase 5 do Regulamento. “Estamos confiantes e com energia renovada. Fizemos grandes investimentos em 2019, inclusive na digitalização de processos internos, e acreditamos que vamos estar mais ágeis e flexíveis para apoiar os desafios que surgirem em 2020”, conclui a empresa.

Publicidade

Publicidade

Miele aposta na agricultura vertical no lar com a compra da Agrilution

“Em todas estas atividades, o que nos distingue é o serviço prestado ao cliente, que é diferenciador e competitivo”