in

Supermercados britânicos anunciam aumento de preços pós-Brexit

Os preços da carne no Reino Unido vão aumentar até 20% sob o Governo de Theresa May, segundo o British Retail Consorcium (BRC), que representa supermercados e lojas de departamento e alerta para um encarecimento do carrinho de compras.

O BRC explica que se Theresa May optar por abandonar o mercado único europeu, os primeiros a acusar serão os bolsos dos consumidores. A saída do mercado único baixaria os preços de alguns produtos, como o cordeiro da Nova Zelândia, sujeito às tarifas da União Europeia. Mas tendo em conta todo o carrinho de compras, a opção pelas regras da Organização Mundial do Comércio levaria ao aumento de preços. Por exemplo, a roupa do Bangladesh seria 12% mais cara, o vinho do Chile uns 27% e a carne em geral uns 27%, o que é importante num país de baixo consumo de peixe.

A opinião do BRC tem muito interesse, porque as suas empresas são o maior grupo importador do Reino Unido. Adicionalmente, também defendem os seus 200 mil trabalhadores estrangeiros frente à nova cruzada do Governo contra os imigrantes e sublinha “a sua enorme contribuição“.

Estas críticas são adicionadas às da organização CBI, que emitiu uma carta à primeira-ministra britânica pedindo-lhe para manter os laços do país com o mercado único europeu. A CBI estima que, se o país romper com a Europa, 90% do comércio com a União Europeia estará sujeito a tarifas e os custos para a indústria aumentarão em 20%. A organização mantém que o acesso ao mercado único “é vital para a saúde da economia britânica.”

A libra continua volátil após o surpreendente “flash crash” na sexta-feita passada, em que perdeu 6% do seu valor em quatro minutos. . A moeda britânica depreciou rapidamente desde que a primeira-ministra se inclinou para um “Brexit duro” no congresso do seu partido. A HSBC, o gigante bancário britânico, acredita que vai permanecer fraca, continuando o que ironicamente chamam de “a saga de Brexit“. A instituição prevê que, até o final do ano, estará em 1,20 frente ao dólar e em 1,10 no final de 2017.

A libra fraca aumenta a inflação e prejudica os consumidores. Aos mercados parece também estar a preocupar o enorme défice em conta corrente do Reino Unido, um dos mais altos entre as nações desenvolvidas.

Para saber mais sobre o impacto do Brexit nos vários mercados, incluindo Portugal, leia o tema de capa da edição n.º 40 da Grande Consumo.

Publicidade

Nova certificação de sushimen portugueses acontece em novembro

França terá uma das mais baixas produções de vinho dos últimos 30 anos