in ,

Startup portuguesa capta investimento de meio milhão de euros da Sonae, Metro Group e Techstars

A startup portuguesa Sensei, fundada há um ano com o objetivo de revolucionar o negócio do retalho através da inteligência artificial, obteve um importante financiamento “pre-seed” de meio milhão de euros.

Entre os investidores está um dos maiores grupos retalhistas mundiais, o alemão Metro Group, juntamente com o Grupo Sonae, através da Sonae IM (Bright Pixel), o acelerador Techstars e um conjunto de “business angels”. “Para nós é importante apoiar startups como o Sensei que estão a trabalhar em tecnologias emergentes e propostas de valor disruptivas no mercado global. O que mais nos atraiu na Sensei foi a sua capacidade de inovar e o talento da equipa que suporta o seu desenvolvimento. Esta sinergia para nós é fundamental na hora de investir, porque só desta forma temos a certeza de que entregamos uma solução capaz de ter um impacto positivo nas empresas”, salienta Alexandre Teixeira dos Santos, Sonae IM Head of Portfolio Development.

Esta é a primeira fase de expansão da startup fundada por Vasco Portugal, Joana Rafael e Paulo Carreira e que desenvolveu um algoritmo que consegue transformar uma câmara de segurança, ou qualquer câmara previamente instalada, num sensor com capacidade de extrair uma análise detalhada de tudo o que acontece dentro de uma loja ou supermercado. A câmara consegue digitalizar todo o espaço, produtos e interações de visitantes em informação que permite compreender qual a experiência do cliente. Através de um software intuitivo, apresenta a visão da loja, deteta prateleiras vazias, o espaço que os clientes percorrem, se os produtos expostos captam a atenção, contabiliza o fluxo de entrada e saída e todas as interações no espaço de loja e se essa movimentação se traduz em venda. Utiliza uma perspetiva 360 do negócio para otimizar todos os recursos disponíveis, conseguindo detetar os padrões de compra. “A nossa missão é digitalizar o mundo físico do retalho, tornando as lojas mais inteligentes e capazes de interpretar as necessidades dos clientes, juntando o melhor dos dois mundos: a emoção da experiência de compras numa loja física e a eficiência de ter todas as operações interconectadas de uma loja digital. Queremos tornar a experiência em loja mais conveniente para o cliente, sem barreiras e mais personalizada do que alguma vez foi possível”, afirma Vasco Portugal, um dos fundadores do Sensei.

De facto, este é o principal motivo de interesse dos investidores nesta solução, por permitir trazer para as lojas físicas o detalhe de informação até agora só possível ao e-commerce. “Num mundo digital, os ‘players’ do e-commerce têm acesso detalhado aos desejos e comportamentos dos seus clientes muito antes do tempo e as lojas físicas não tinham, até agora, essa informação disponível. O Sensei disponibiliza informação que ajuda as lojas físicas a compreender melhor os seus clientes e a implementar ferramentas que ajudam no crescimento das vendas. Acreditamos que o Sensei está realmente a criar valor para os seus clientes e que a sua história vai continuar”, diz Olaf Koch, CEO do Metro AG. “Discute-se muito o crescimento das compras online, mas rapidamente esquecemo-nos que cerca de 90% do comércio de retalho ainda é feito em lojas físicas. No Sensei, a Techstars não só investiu numa equipa com conhecimentos profundos na área, mas também no seu foco em trazer o retalho físico para a era digital, onde a informação captada consegue tornar a experiência de compra completamente otimizada, tanto para o vendedor como para o cliente”, reforça Greg Rogers, diretor executivo da Techstars.

Com a tecnologia do Sensei, o movimento humano no espaço da loja é detetado e os resultados apresentados em tempo real num “dashboard”, sendo a informação recolhida totalmente anónima e a privacidade respeitada. A recolha de dados revela os padrões da interação dentro da loja e reúne essa informação num SaaS (Software as a Service) na Cloud, ao qual o retalhista pode aceder em tempo real. Ao otimizar a operação, consegue identificar tendências, fazer correlações de dados e aumentar a disponibilidade de produtos em prateleira, o que se traduz num maior número de vendas.

A tecnologia do Sensei tem ainda a capacidade de otimizar o sector do retalho físico offline, as lojas e redes de supermercados, onde acontece 90% de todo o comércio. “Em média, quando um cliente entra numa loja de moda, a conversão de vendas pode chegar a ser de 20% e a disponibilidade de produtos nos supermercados pode chegar abaixo dos 90%, com uma estimativa de 1,5 triliões de dólares de perda anual no retalho mundial, consequência das ruturas em prateleira, de stock e ineficiências operacionais. A tecnologia do Sensei permite responder a este problema de mercado, dando suporte às operações das grandes lojas e cadeias de supermercado mundiais, assinalando o reabastecimento de prateleiras e verificar se estão a obedecer ao planeamento proposto”.

A empresa foi fundada em 2017 por Vasco Portugal, Joana Rafael e Paulo Carreira. A equipa, que junta background no negócio do retalho e forte conhecimento em tecnologia, começou a formar-se no Instituto Superior Técnico, onde Paulo Carreira é professor de engenharia de software, e Vasco Portugal e Joana Rafael doutorandos do programa MIT Portugal.

Publicidade

Covid-19 leva a 6,1 milhões de empregos perdidos no sector do retalho nos Estados Unidos da América, em 2020

As causas do apocalipse do retalho

Women’secret abre 50.ª loja em Portugal