in

Sonae reforça rentabilidade de todos os negócios

O volume de negócios da Sonae atingiu os 6.435 milhões de euros, em 2019, mais 9,2% em termos homólogos, beneficiando maioritariamente do desempenho da Sonae MC e da consolidação anual de vendas em termos estatutários da Sonae Sierra.

O EBITDA subjacente cresceu 22,2%, para 599 milhões de euros, com melhorias de rentabilidade em todos os principais negócios do portfólio. Mesmo sem a consolidação integral da Sonae Sierra, em 2019, o volume de negócios e o EBITDA subjacente teriam crescido significativamente quando comparados com 2018, 7% e 14%, respetivamente. 

A evolução positiva do EBITDA subjacente, em conjunto com um aumento dos resultados pelo método de equivalência patrimonial, conduziram a um aumento de 7,5% do EBITDA, para 695 milhões de euros, em 2019. Os resultados pelo método de equivalência patrimonial foram impulsionados principalmente pela consolidação integral da Sonae Sierra desde o quarto trimestre de 2018 e pela melhoria de desempenho da ISRG. 

Apesar da forte performance operacional, com crescimento das vendas e da rentabilidade, o resultado líquido atribuível aos acionistas fixou-se em 165 milhões de euros, abaixo do valor registado no ano passado apenas devido aos itens não recorrentes verificados no exercício anterior, nomeadamente as mais valias registadas na transação da Outsystems pela Sonae IM, na venda de ativos pela Sonae Sierra e nas operações de “sale & leaseback” executadas pela Sonae MC. Excluindo estes efeitos, que totalizaram 104 milhões de euros, em 2018, o resultado líquido teria registado um “crescimento expressivo”.

 O investimento ascendeu a 399 milhões de euros, em 2019, mais de um milhão de euros por dia, sendo de destacar o investimento na expansão do parque de lojas da Sonae MC, com a abertura de 124 novas lojas operadas pela empresa, onde se incluem 13 Continente Bom Dia e três Continente Modelo, mas também algumas aquisições importantes, como a participação de 60% na rede de parafarmácias e cosmética espanhola Arenal (Sonae MC), a iServices (Worten), duas empresas de serviços (Sonae Sierra) e várias participações em empresas de base tecnológica (Sonae IM). 

 A Sonae continuou a reforçar a sua estrutura de capitais e solidez financeira, em 2019, tendo a dívida líquida diminuído 167 milhões de euros, ou 12,7% em termos homólogos, para 1.150 milhões de euros. Todos os negócios do portfólio mantiveram uma estrutura de capitais sólida. A Sonae foi capaz de manter um custo de dívida baixo, que se situou em 1,2%, e um perfil de maturidade média superior a quatro anos.

 O crescimento das várias áreas de negócio permitiu à Sonae continuar a criar emprego, sendo de destacar a criação de mais de 1.100 postos de trabalho, em 2019, sobretudo no retalho.  

Sonae

No retalho alimentar, a Sonae MC terminou o ano com um volume de negócios recorde de 4,7 mil milhões de euros, um crescimento de mais de 9% em termos homólogos, o maior da última década. Este desempenho das vendas permitiu o reforço da posição de liderança da empresa, com um aumento da quota de mercado que foi sustentado não só por um crescimento comparável de vendas de 3%, impulsionado pelo desempenho positivo em todos os segmentos, formatos e categorias chave, mas também pela execução do plano de expansão, nomeadamente com a abertura de 13 lojas de proximidade Continente Bom Dia, e pela aquisição estratégica da Arenal em Espanha. 

Em 2019, a margem EBITDA subjacente situou-se em 10,2%, mais 0,4 pontos percentuais. 

 

Worten

No retalho de eletrónica, a Worten teve um quarto trimestre trimestre positivo, melhorando o seu desempenho de vendas e atingindo um volume de negócios total de 344 milhões de euros, mais 0,3% em termos homólogos e mais 2,5% numa base comparável. Este crescimento foi impulsionado pela evolução positiva das vendas em Portugal e nas ilhas Canárias, que se situaram acima do ano passado nos períodos da Black Friday e do Natal. 

Assim, a Worten terminou o ano com um volume de negócios de 1,1 mil milhões de euros e um “like for like” positivo de 0,2%. Foi capaz de reforçar as suas vendas online em mais de 30%, sustentando  o progresso da sua estratégia de transformação digital, com o marketplace a ter um contributo essencial. O EBITDA subjacente atingiu 28 milhões de euros e uma margem de 8,2% no quarto trimestre, contribuindo para um valor de 57 milhões de euros no final do ano.

 

Sonae Fashion

A  Sonae Fashion terminou o ano com mais um trimestre positivo em termos de crescimento de vendas e rentabilidade. Todas as marcas apresentaram evoluções positivas no parque de lojas comparável. O volume de negócios no quarto trimestre atingiu 114 milhões de euros, crescendo 7,3% em termos homólogos, com um “like for like” de 4,6%. Este desempenho foi particularmente positivo, considerando o nível de evolução do “like for like” registado no quarto trimestre de 2018 (+7,2%). 

No total, as vendas em 2019 atingiram 395 milhões de euros, um aumento em termos homólogos de 4,9%. O desempenho da operação online continua a mostrar fortes taxas de crescimento em todas as marcas, tendo aumentado 32%.

O EBITDA subjacente também seguiu uma tendência positiva tanto no quarto trimestre como no ano, melhorando 2,4 milhões de euros e 5,8 milhões de euros em termos homólogos, respetivamente, atingindo 41,4 milhões de euros, em 2019, com uma margem de 10,5%, mais um ponto percentual face a 2018.

ISRG

O volume de negócios do ISRG cresceu mais de 90 milhões de euros, ou 16,1%, quando comparado com o mesmo período de 2018, atingindo 676 milhões de euros Esta evolução beneficiou especialmente das contribuições da JD e Sprinter. O EBITDA cresceu, nos últimos 12 meses, 33 milhões de euros, em termos homólogos, para 68 milhões de euros, correspondendo a um aumento de margem de 4,1 pontos percentuais.

 

Sonae FS

A Sonae FS reforçou a sua posição como unidade de negócio de rápido crescimento, tendo aumentado o volume de negócios em 20%, para 38 milhões de euros, e melhorado o EBITDA subjacente, que atingiu o limiar dos 10 milhões de euros, correspondendo a uma margem de 26,5%. 

No que diz respeito à operação do cartão Universo, durante 2019 teve uma média de nove mil novos subscritores por mês, o que permitiu terminar o ano com 858 mil clientes, mais 111 mil face ao ano passado, reforçando claramente a posição do Universo no top 3 no mercado português de emissão de cartões de crédito. Em termos de quota de mercado na produção de crédito, o cartão Universo cresceu 0,9 pontos percentuais,. durante 2019, atingindo 12,8% no final de dezembro.

 

Sonae IM

Durante 2019, em linha com a sua estratégia de gestão ativa de portfólio, a Sonae IM entrou no capital social de sete empresas, três das quais em fase embrionária (“seed”) e concluiu a venda da WeDo e da Saphety. Em termos de investimento, e para além do reforço na participação em algumas das empresas do seu portfólio, é de realçar o investimento em duas empresas tecnológicas de retalho – CB4 e Daisy Intelligence –, numa empresa de cibersegurança – Sixgill – e numa empresa tecnológica ligada a telecomunicações – Cellwize. No final de 2019, o capital investido no portfólio ativo era de 130 milhões de euros, 7,1% acima do ano passado.

No que respeita ao desempenho operacional, e excluindo as empresas alienadas durante o ano, o volume de negócios ascendeu a 116 milhões de euros, em 2019, 24,8% acima do ano passado, refletindo a integração da Nextel e da Excellium. 

 

Centros comerciais

A Sonae Sierra registou um volume de negócios de 223 milhões de euros, em 2019, com o resultado direto a aumentar 2,2% para 68 milhões de euros. Este desempenho é particularmente notável dado que o nível significativo de vendas dos ativos foi mais do que compensado pelo crescimento orgânico, pelo contributo da remanescente participação no ParkLake e pela abertura de um novo centro comercial em Cúcuta na Colômbia.

O ano de 2019 foi de sucesso para a Sonae Sierra em termos de execução dos seus principais pilares estratégicos, sendo de destacar também a conclusão com de várias transações de acordo com a sua estratégia de reciclagem de capital, totalizando 0,8 mil milhões de euros de OMV em 10 ativos, a fusão do negócio do Brasil, criando o maior operador de centros comerciais no país, o lançamento da primeira SIGI em Portugal com mais de 100 milhões de euros de capital para investir, a conclusão de duas aquisições “bolt-on” na área de serviços e o desempenho do portfólio europeu com as vendas e rendas a crescer 3,7% e 4,2%, respetivamente, numa base comparável.

Já em 2020, a empresa anunciou a criação do Sierra Prime com a APG, a Allianz e a Elo, uma joint venture estratégica de 1,8 mil milhões de euros composta por seis centros comerciais prime na Ibéria, cuja gestão continua a ser realizada pela Sonae Sierra.

 

NOS

Em 2019, a NOS manteve um desempenho positivo, que lhe permitiu continuar a crescer e a aumentar a sua rentabilidade. O total de receitas operacionais da empresa atingiu 1,6 mil milhões de euros, aumentando 1,5% em termos homólogos, com uma evolução positiva tanto nos negócios de telecomunicações como de cinema e audiovisuais, que cresceram vendas em 1,1% e 6,5% em termos homólogos, respetivamente. O EBITDA ascendeu a 641 milhões de euros em 2019, melhorando 2,7% em termos homólogos e correspondendo a uma margem de 40,1%.

Pernod Ricard compra Italicus

ASAE fiscaliza especulação em produtos como o álcool gel e máscaras