in , ,

“Somos um importante canal de comunicação entre compradores e vendedores”

O OLX sai para a rua com uma iniciativa inovadora e apresenta o conceito Live Market. Um “mercado virtual” que pretende marcar a diferença relativamente a todos os mercados que se têm realizado em Portugal. Evento que conta com 40 espaços diferentes, sendo que 20 serão rotativos e destinados a anunciantes do OLX, que foram escolhidos criteriosamente, tendo em conta a qualidade dos produtos que oferecem. Os restantes 20 espaços estarão reservados a marcas de referência, 100% portuguesas, e que estarão em permanência no local. A primeira edição decorre já a 23 de julho, na Avenida da Liberdade, em Lisboa, e será um dia inteiramente dedicado a famílias, apenas com ofertas outlet para bebé e briança, como explica à Grande Consumo Rita Marques, site manager do OLX.

Grande Consumo – A que se deve a aposta no OLX Live Market? Quais são os seus objetivos qualitativos e quantitativos?
Rita Marques –
O OLX Live Market é parte integrante de uma estratégia que o OLX tem vindo a desenvolver no seguimento do seu novo posicionamento – ser reconhecido como um marketplace mais “trendy” – resultado de algumas mudanças de comportamento que nos apercebemos em categorias, como Moda e Bebé e Criança, que deixaram de vender artigos “velhos” e em segunda mão, o que mesmo assim está na moda, mas também para vender e comprar as últimas novidades da moda de marcas conhecidas e reconhecidas internacionalmente. Encontrámos uma oportunidade e, neste momento, estamos focados num segmento mais jovem e feminino, pois nestas categorias a taxa de utilizadores de quem anuncia e quem procura é maioritariamente feminina. O OLX Live Market passa ainda por aproximar vendedores e compradores, desmistificar as barreiras das vendas online e ajudar os anunciantes e criadores a potenciar ainda mais os seus negócios e a escoar stocks. Prevemos que a primeira edição receba várias centenas de visitantes.

GC – Em que se irá diferenciar face a outras propostas eventualmente semelhantes existentes no mercado?
RM –
Em primeiro lugar, por nascer do online para o offline, ou seja, ambos consumidores e anunciantes sabem e conhecem bem a capacidade de conversão do OLX enquanto marketplace de referência para este tipo de categorias. Em segundo lugar, pela dimensão e capacidade de conseguir cruzar ambas as dimensões, offline e online. Somos um importante canal de comunicação entre compradores e vendedores. E, por fim, pelo conteúdo que se poderá encontrar neste mercado, que na verdade é o coração do OLX, as categorias de produtos que oferece.

GC – Como se irá aplicar na prática? Como será o “roll-out” do projeto?
RM –
Na prática serão quatro edições com diferentes temas. Cada mercado contará com 40 espaços diferentes, sendo que 20 serão rotativos e destinados a anunciantes do OLX e os restantes 20 reservados a marcas de referência, 100% portuguesas. Nesta primeira edição, o OLX Live Market contará com marcas como a Baumilha, Lucy Kids, Mamã dá Licença, Manana e Match – Babies&Kids, entre outras, que também usam a opção de vendedores profissionais, sendo que um dos objetivos será escoarem stocks de outras temporadas no OLX. Haverá ainda animação, música e atividades para as crianças ao longo de todo o dia, como a presença de animadoras infantis, palhaços, pinturas faciais, modelagem e distribuição de balões, e ainda um jogo da Roda da Sorte OLX, com oferta de prémios. As futuras edições terão outros temas, outras marcas, outros públicos.

GC – A que se deve a aposta em marcas 100% portuguesas? É uma premissa para manter?
RM
Felizmente, em Portugal, nos últimos tempos tem-se assistido a um “boom” de empreendedorismo que tem resultado, também, na criação de várias marcas, desde vestuário de praia, roupa de criança, sapatos, entre outras, pelo que queremos ajudar a promover estes negócios, muitos já anunciantes do OLX e atrair novos. Mostrar ainda que comprar em segunda mão não é sinónimo de má qualidade ou em mau estado, mas sim de bons negócios a preços baixos.

GC – Como foram escolhidas as marcas presentes no evento?
RM –
As marcas foram convidadas a estar presentes no evento por serem de referência no mundo da moda infantil. São marcas com bastante visibilidade no mercado nacional, físico e/ou online, que comercializam roupa, sapatos, acessórios e puericultura para os mais pequenos. Escolhemos marcas de norte a sul do país, por forma a aproximar o vendedor ao cliente. Os consumidores destas marcas acabam, muitas vezes, por comprar online por não terem disponibilidade de se dirigirem às lojas físicas. Esta é também uma grande oportunidade para os consumidores conhecerem as peças em mão antes de comprar.

GC – Trata-se de uma ação pioneira ou será um evento para manter em 2018?
RM –
Vamos ver como correm estas edições. Acreditamos que serão um sucesso para as marcas, anunciantes e criadores e que serão bem recebidas pelos públicos presentes, pelo que poderá ser, sem dúvida, uma ação a repetir.

GC – Com que periodicidade se realizarão as diversas edições previstas do OLX Live Market?
RM –
Para já estão previstas quatro edições em Lisboa, na Avenida da Liberdade – a primeira edição a 23 de julho, duas edições em setembro e a última em outubro.

GC – Quais as diversas temáticas futuras?
RM –
Neste momento, temos quatro edições planeadas, sendo que todas terão diferentes temáticas para diferentes tipos de anunciantes conseguirem potenciar os seus negócios e atrair também diferentes tipos de públicos. A primeira edição será dedicada a Bebé e Criança, a segunda a Moda, a terceira a Móveis e Decoração e a quarta, novamente, a Bebé e Criança.

GC – Qual o “target” prioritário deste evento?
RM –
O “target” principal deste evento é um público de jovens famílias, apelando muito ao lado da feminino, que vai ao encontro da nova estratégia do OLX.

Publicidade

Governo britânico alerta para escassez de alimentos depois do Brexit

Despesa das famílias portuguesas desce em cinco anos