in

Sogrape reforça presença nos vinhos verdes com nova marca Azevedo

A Sogrape Vinhos acaba de lançar Azevedo, uma nova marca de vinho verde que explora a riqueza da casta Alvarinho, considerada internacionalmente como uma das grandes castas brancas portuguesas e uma das melhores do mundo.

A marca vai contar, neste momento de lançamento, com duas referências: Azevedo Loureiro/Alvarinho 2017 e Quinta de Azevedo Reserva 2017.

Temos já no portfólio da Sogrape marcas de grande notoriedade nos vinhos verdes, mas com Azevedo damos um novo passo para vinhos que satisfaçam o consumidor que tem preferência por vinhos brancos frescos e aromáticos, mas com uma maior complexidade, um sabor mais persistente e menos gás. Este é o perfil que tem registado maior crescimento e Azevedo responde a esta tendência de modernidade. De resto, estamos também a dar resposta ao reconhecimento crescente que a casta Alvarinho tem vindo a conquistar não só em Portugal como internacionalmente”, afirma João Gomes da Silva, administrador da Sogrape Vinhos.

A Sogrape – e a família Guedes em particular – está historicamente ligada aos vinhos verdes e, com a aquisição da Quinta de Azevedo, em 1980, consolidou a base da sua operação na região. “A Sogrape está na Quinta de Azevedo há muito tempo, mas agora com uma perspetiva diferente. O Alvarinho, com o seu excelente potencial de envelhecimento e enquanto casta emblemática da região, tinha que fazer parte deste projeto“, afirma António Braga, o enólogo que assina as novas referências Azevedo. “Loureiro/Alvarinho é um lote muito feliz, porque traz toda a frescura, acidez e intensidade tropical do Loureiro e, por outro lado, a complexidade, densidade, cremosidade e fruta madura do Alvarinho“, explica o responsável pelos novos vinhos verdes da Sogrape. “Com a mesma composição em termos de lote – 70% Loureiro e 30% Alvarinho –, o perfil destes dois novos vinhos segue dois ângulos distintos: se por um lado o Azevedo Loureiro/Alvarinho entrega frescura e presença intensa, num vinho que se adapta a momentos de consumo descontraídos, o Quinta de Azevedo Reserva é aromaticamente mais subtil, revelando uma complexidade, textura e presença multidimensional em boca, com uma vocação claramente gastronómica”, conclui António Braga.

Em ambos os casos, Loureiro complementa-se com Alvarinho, duas variedades que prevalecem nos mais de 30 hectares de vinha da Quinta de Azevedo.

Publicidade

Menos promoções, menos volumes nas gorduras alimentares

Alibaba testa robot de entregas com reconhecimento facial