in

Sector da logística cresceu 20% em 2016

A Michael Page analisou a evolução do recrutamento no sector da logística e revela um crescimento de 20% em 2016.

Em Portugal, foram as grandes empresas que mais recrutaram em 2016, absorvendo 72% dos processos de recrutamento. Procuram maioritariamente diretores de operações, cargo a ser ocupado em 30% dos processos de recrutamento, e diretores de cadeia de distribuição, a representar 25% dos processos. Ao longo do ano, as empresas de média dimensão geraram 22% dos postos de trabalho com processos geridos pela Michael Page no sector logístico, ficando as pequenas empresas com uma fatia de apenas 6%.

O peso das grandes empresas no sector cresceu 8% desde 2015, altura em que geraram 64% dos processos de recrutamento. Contraditoriamente, a expressão de médias e pequenas empresas reduziu em 2% e 6% desde 2015.

Contrariando a norma do mercado de trabalho nacional, Santarém foi a região a absorver mais profissionais para o sector, com 35% dos processos de recrutamento, superando a região de Lisboa, com 24%. As regiões de Setúbal e Leiria desempenharam também um papel de relevo para o recrutamento no sector, com 25% e 16% dos processos, respetivamente.

O poderio da região de Santarém tem vindo a crescer desde 2015, passando de uma taxa de 30% para 35%. Também Setúbal assistiu a um crescimento de 3%. Já Lisboa registou um decréscimo residual de 1%.

A logística é um dos mais importantes motores da cadeia de valor facilitando, através da mobilidade, o crescimento e globalização dos mercados. A procura pelos profissionais de logística não se verifica apenas dentro do próprio sector mas também, e cada vez mais, fora do sector de logística”, constata Filipe Forte, consultor da Michael Page Logística e Supply Chain. “O sector continua a aposta na formação de talento, com especial enfoque na formação académica em logística ou engenharia e gestão industrial / pós-graduação em Supply Chain, demonstrando a sua procura pela inovação. Esta é também a resposta do sector à necessidade de se reinventar e de reinventar a forma como interage com o cliente, cada vez mais exigente e adepto de relações dinâmicas e com elevado nível de interatividade”, conclui Filipe Forte.

Em 2016 aumentou o recrutamento de profissionais de logística fora do sector. A indústria aumentou o número de processos de recrutamento de 30% para 35% e os serviços passaram de 15% para 17%.

As funções de direção ocupam o topo da lista de necessidades das empresas em Portugal. A procura por diretores de operações subiu de 23% para 30%, acompanhada pelo crescimento da média salarial de 42 mil euros/ano para 45 mil euros/ano. As empresas estão também mais interessadas em diretores de cadeia de distribuição, com uma subida dos 22% para os 25% e a média salarial a passar dos 56 mil euros/ano para os 60 mil euros/ano. A procura por diretores gerais subiu 2%, passando dos 10% para os 12%, e a média salarial aumentou dos 85 mil euros/ano para os 90 mil euros/ano.

A função de supervisor de logística assistiu a um aumento da procura, passando dos 8% para os 15%. A média salarial, no entanto, mantém-se nos 35 mil euros/ano desde 2015.

Em contrapartida, as empresas expressaram, através dos processos de recrutamento, uma redução na necessidade de responsáveis de operações, com a procura a baixar dos 22% para os 18%. Apesar da diminuição na procura, a média salarial mantém-se nos 37 mil euros/ano.

Publicidade

Alimentação infantil e puericultura: mercados à prova de maturidade

Ponte Vertical e Kikkoman vão levá-lo ao Japão