in

Rangel investe 2,1 milhões de euros na expansão na África do Sul e na abertura da Zâmbia

A Rangel está a investir 2,1 milhões de euros para expandir as suas operações sul-africanas e abrir um novo escritório na Zâmbia. A empresa fez o anúncio na inauguração oficial das suas instalações em Joanesburgo, esta quarta-feira, dia 24 de novembro.

Este investimento adicional reforça o compromisso da Rangel com o mercado africano, que inclui a aquisição de frota própria, crescimento da equipa local para criar 100 novos postos de trabalho até 2023, a expansão do armazém em Joanesburgo de 2.500 para 5.500 metros quadrados, a abertura de novas instalações na Zâmbia e na fronteira com a Namíbia (Nakop) e o Botsuana (Zeerust), em 2022, e várias novas geografias na África do Sul, incluindo Durban e Cidade do Cabo, até 2023.

Rui Fragoso, diretor da South African Portuguese Chamber of Commerce (SAPCC), Rui Marto, presidente da SAPCC, Nuno Rangel, CEO Rangel Logistics Solutions, Manuel Carvalho, embaixador de Portugal na África do Sul, Tiago Pocinho, Country Manager – South Africa da Rangel Logistics Solutions, e Guilherme Lopes, presidente da AICEP na África do Sul

Posição estratégica

A aposta na África do Sul revelou-se ser muito positiva, superando as nossas expectativas iniciais em menos de dois anos. A posição estratégica da África do Sul no continente africano faz desta um ponto de ligação rodoviária a toda a África Austral, levando-nos a expandir as operações de forma a corresponder às exigências dos nossos clientes“, afirma Nuno Rangel, CEO da Rangel Logistics Solutions.

A Rangel entrou no mercado sul-africano em 2020, investindo no seu serviço de Clearing Agent (despachante aduaneiro). Depois de abrir as instalações de Joanesburgo, abriu escritórios ao longo das principais fronteiras de Moçambique, Zimbabué e Botsuana: Komatipoort, Musina e Globlersburg, em 2021. “Apesar da recente presença na África do Sul, temos assistido a uma grande procura orgânica por parte dos nossos clientes por serviços em África. Decidimos agora entrar num novo país, a Zâmbia, onde somos o primeiro operador logístico português no mercado. Isto reforçará o serviço ‘inland’ da Rangel no continente, uma vez que cria pontos de ligação com os portos marítimos da África do Sul, o principal ‘gateaway’ da região, e consegue oferecer transporte ‘cross-border’ com entregas diárias para todos os países da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC)”, acrescenta Nuno Rangel.

A Rangel já tem um vasto portfólio de clientes em transportes terrestres e atividades aduaneiras em África, sendo acreditado como Clearing Agent, garantindo ligações com a África Austral e África Oriental.  Nos próximos dois anos, planeia prosseguir com o seu plano de expansão, com novas aberturas no continente africano e reforçando os seus serviços de logística contratual, bem como o transporte marítimo e aéreo internacional.

Recorde-se que a Rangel reforçou a estratégia de internacionalização da empresa em 2020, com a entrada na África do Sul e México, num movimento que se traduz no seu primeiro passo para a internacionalização além das fronteiras dos PALOP (Países de Língua Oficial Portuguesa), consolidando a estratégia em tornar-se um “player” logístico global.

McCormick apela à ação da indústria na sequência do relatório sobre práticas fraudulentas no sector de ervas aromáticas e especiarias

E-commerce alimentar

30% dos portugueses faz compras online pelo menos uma vez por semana