in

Portugueses usam plataformas de táxis e TVDE em 73% das viagens profissionais após a pandemia

Os portugueses quando fazem viagens em trabalho optam em 73% das vezes pelo uso de uma app móvel de serviço de transporte de passageiros, menos 2 pontos percentuais do que antes da pandemia, de acordo com o Inquérito Transporte terrestre na Europa: As políticas de viagem adaptam-se a um cenário em mudança, desenvolvido pela GTBA Europa e pela FREE NOW for BUSINESS.

Portugal é o 4º país dos 7 analisados que usa com maior frequência as plataformas de táxis e TVDE nas viagens profissionais após a pandemia, atrás da Espanha (87%), Polónia (78%) e Itália (74%).

O estudo, cuja recolha de dados ocorreu entre 3 e 20 de setembro de 2020, foi realizado a nível europeu (Portugal, Espanha, França, Reino Unido, Alemanha, Itália e Polónia) e visa analisar a situação atual da mobilidade urbana e as suas implicações nas viagens de negócios após o aparecimento do COVID-19.

Viagens profissionais

O Inquérito conclui que os viajantes de negócios europeus utilizam as apps de serviço de transporte de passageiros com frequência idêntica tanto para viagens em trabalho como a título pessoal. Apenas na Polónia e Alemanha estes serviços são usados mais vezes nas viagens particulares do que nas deslocações de trabalho.

Mas antes da pandemia, os veículos privados (TVDE) / condutores independentes solicitados através de app móvel já eram os preferidos dos portugueses nas viagens de trabalho (75%), seguindo-se os veículos de aluguer (73%) e o comboio / linha ferroviária de transporte de passageiros de longa duração (71%). Num ambiente normal, os viajantes de negócios europeus interessavam-se por utilizar diferentes meios de transporte terrestre em viagens de trabalho. Normalmente o interesse tendia a ser o uso da linha ferroviária de longa distância, veículos de aluguer, táxis tradicionais e ainda os veículos privados (TVDE) ou condutores independentes.

Estes resultados demonstram que o serviço de transporte de passageiros através de uma plataforma online está enraizado como opção de transporte entre os viajantes de negócios na Europa, o que se veio acentuar, nalguns casos, com a chegada da pandemia devido essencialmente a três fatores: segurança, conforto e facilidade de reserva.

Segurança é a prioridade

Após o surto de Covid-19, as principais prioridades na escolha do transporte terrestre nas viagens de negócios dos portugueses são a segurança (71%), conforto (56%) e a facilidade de reserva (41%), em linha com os restantes parceiros europeus. A verdade é que as empresas de transporte terrestre responderam com firmeza à pandemia e introduziram novas medidas de segurança, como é o caso do requisito de uso de máscara, melhor limpeza e painéis divisórios no veículo.

Apesar de estas medidas serem decisivas, também é importante que os gestores de viagens implementem as suas próprias ações. Um dos principais objetivos deste estudo foi explorar precisamente a forma como os programas de viagens podem responder à pandemia. No atual ambiente de COVID-19, uma grande maioria dos gestores de viagens está interessada em utilizar os fornecedores de transporte terrestre “preferenciais” que consideram garantir o cumprimento dos padrões de segurança/sanitários (88%) e o rastreamento dos dados das viagens de transporte terrestre – tais como destinos ou nomes de condutores – para ajudar a rastrear os contactos (79%).

E se os gestores de viagens estão interessados nas medidas de segurança relacionadas com o coronavírus, também os viajantes de negócios têm interesse nessas mesmas medidas. Se tiverem de viajar em trabalho no atual ambiente, a maioria dos indivíduos (82% em Portugal) tem interesse em utilizar os fornecedores de transporte terrestre “preferenciais” que a sua empresa considerou garantirem o cumprimento dos padrões de segurança/sanitários e o rastreamento dos dados das viagens de transporte terrestre.

Publicidade

globalização

DHL Global Connectedness Index de 2020 sinaliza a recuperação da globalização no pós-Covid

Compal

Compal apoia a Inovação e Estratégia da Fruticultura Nacional