in

Parlamento Europeu reforça direitos dos consumidores no comércio eletrónico

O Parlamento Europeu aprovou as novas normas europeias para uma melhor proteção dos consumidores contra golpes no comércio eletrónico, bem como para conseguir uma deteção mais rápida de profissionais desonestos.

Desta forma, a partir de agora, as autoridades nacionais competentes terão mais poder para detetar e parar a violação das leis de direitos dos consumidores no comércio eletrónico e poderão coordenar as suas ações em toda a União Europeia, de forma mais eficiente, graças à revisão do regulamento sobre a cooperação em matéria da defesa do consumidor (CPC).

Segundo o Parlamento Europeu, 37% dos sites dedicados ao comércio eletrónico não cumpriam, em 2014, as normas sobre os consumidores. Portanto, as mudanças procuram pôr fim às lacunas legais existentes que pioram devido a diferenças entre os países.

As suas competências devem incluir, entre outras, pedir informação aos registadores de domínio e bancos para identificar profissionais desonestos, fazer compras de prova de bens e serviços, incluindo atuar como “comprador misterioso”, impor um aviso explícito na Web ou remover conteúdo digital, ou restringir o acesso a determinadas páginas ou aplicações, na ausência de outra maneira efetiva de parar uma prática ilegal, aplicar penalidades, incluindo multas, e informar os consumidores sobre como solicitar uma compensação.

A Comissão Europeia coordenará as ações nos casos em que uma infração tenha causado ou existe o risco de prejudicar os interesses coletivos dos consumidores em pelo menos dois terços dos Estados-Membros, representando pelo menos dois terços da população europeia.

Uma das demandas cruciais do parlamento durante as negociações com o conselho foi aumentar o papel das organizações de consumidores. A este respeito, o novo regulamento estabelece que estarão encarregados de alertar as autoridades quando suspeitarem de infrações.

Olga Sehnalová, responsável pelo procedimento parlamentar do projeto legislativo, indicou durante a sua apresentação que “as novas regras fortalecerão e melhorarão a cooperação entre todos os atores envolvidos na proteção ao consumidor, para verificar se as normas são atendidas e lidar com infrações transfronteiriças. A cooperação entre as autoridades nacionais, a comissão e as organizações cria um mecanismo eficiente para combater as práticas dos profissionais desonestos, tanto online como no comércio tradicional, reforçando os direitos dos consumidores“.

O texto legislativo, aprovado por 591 votos a favor, 80 contra e 15 abstenções, ainda deve ser formalmente aprovado pelo Conselho Europeu. Os novos regulamentos serão aplicáveis 24 meses após a data de entrada em vigor.

O Parlamento Europeu indicou alguns exemplos de práticas que os novos regulamentos permitirão enfrentar com melhores ferramentas, tais como uma promoção de curto prazo oferecida em vários países por uma companhia aérea, que posteriormente cancelou os descontos; uma assinatura de longo prazo escondida atrás de uma oferta para obter um telefone móvel por um euro; um vendedor na Internet que não envia os móveis que ofereceu e que mudou o seu endereço quatro vezes em três anos ou queixas sobre preços de aluguer de automóveis devido à discriminação do consumidor com base no país de origem.

Publicidade

Vendas de peixe e marisco voltam a cair na Europa

Um consumidor mais sénior, multicanal e protagonista em 2025