in

Negócio digital da Douglas cresce 39,6%

Foto BalkansCat/Shutterstock

A faturação da Douglas nos primeiros nove meses do seu ano fiscal (de outubro a junho), o que significa uma queda de 7,5% face ao mesmo período do ano anterior. A queda das vendas foi maior em março, abril e maio, devido ao encerramento das lojas, mas em junho regressaram ao crescimento.

Durante este período, as vendas das lojas físicas contraíram 17,2%. Pelo contrário, o negócio digital cresceu 39,6%, situando-se nos 640 milhões de euros.

Devido à queda das vendas, o EBITDA ajustado desceu 10,6%, para os 264 milhões de euros.

 

Reforço da quota

Até à crise da Covid-19, a empresa continuou a crescer, em termos de quota, na Alemanha, em França, em Espanha e em Itália, tanto no canal online, como offline.

Estou orgulhosa do desempenho de toda a equipa. Quando lançámos a estratégia #ForwardBeauty focámo-nos no comércio eletrónico e, até agora, estamos a beneficiar enormemente da decisão. Ampliámos a nossa posição online, compensando parcialmente a queda das vendas nas nossas lojas físicas”, afirma Tina Müller, CEO do Grupo Douglas.

No terceiro trimestre do seu exercício fiscal, as vendas online aumentaram 70,3% e os novos clientes 90%. Deste modo, nos nove meses do exercício, as vendas digitais da Douglas representaram 25,6% do total.

Publicidade

#Fries4Followers

Burger King Portugal vai oferecer cubos de batatas fritas se chegar aos 60k no Instagram

Centro comercial Vasco da Gama

APCC aguarda com expectativa fim da limitação de horários nos centros comerciais da AML