in

Mercados como Portugal e Espanha estarão a beneficiar com guerra aberta que Donald Trump declarou às importações chinesas

Nascida há pouco mais de um ano de uma reestruturação no seio do Grupo Garland, a Garland Transport Solutions já viu aumentar os movimentos de mercadorias de Portugal para os Estados Unidos, uma realidade impulsionada pela guerra comercial entre os norte-americanos e a China.

Recorde-se que, cumprindo uma das suas promessas eleitorais, o presidente Donald Trump avançou, em setembro do ano passado, com a imposição das taxas alfandegárias mais altas de sempre sobre 200 mil milhões de dólares de importações da China. “O conflito entre os Estados Unidos e a China está a fazer aumentar as exportações portuguesas para a América para compensar a ausência de produtos chineses em sectores como o têxtil, o calçado e a cerâmica, entre outros. Para responder a esta tendência de mercado, a Garland Transport Solutions assinou recentemente uma parceria com uma transportadora norte-americana, que marca presença em todos os Estados Unidos”, explica Peter Dawson, presidente do Grupo Garland. “Acreditamos que as exportações portuguesas para os Estados Unidos terão condições para continuar a crescer no próximo ano”.

A Garland Transport Solutions registou, em 2018, um crescimento de 4%, terminando o ano com um volume de negócios a rondar os 53,4 milhões de euros. Segundo Peter Dawson, este incremento é notório em todas as áreas dos transportes, mas as vias marítima e aérea têm registado um crescimento superior à terrestre.

Desde o início do ano, a Garland Transport Solutions arrancou com uma série de novos serviços em mercados estratégicos. Em Espanha, disponibiliza atualmente, no âmbito da parceria com a Palletways, dois serviços diários de e para Madrid, um outro diário de ida e volta para a Galiza e ainda um serviço três vezes por semana de e para Barcelona.

No caso do Japão, a K Line Total Logistics, o braço transitário da antiga K Line, entretanto integrada na One, reativou o serviço com a Garland Transport Solutions, através do qual ficam cobertos os movimentos.

A Garland Transport Solutions passou também a representar em Portugal a empresa lituana Gevara. Recorrendo a veículos próprios, esta recolhe mercadorias duas vezes por semana no Centro Logístico da Maia, servindo os países bálticos e de leste, entre os quais Rússia, Ucrânia, Bielorrússia e Cazaquistão. A Garland opera ainda um serviço para a Polónia, com duas a três saídas por semana, envolvendo 15 camiões completos e de grupagem semanais. Via Nuremberga, na Alemanha, a empresa portuguesa serviços de ida e volta às terças e sextas-feiras, abrangendo Hungria, República Checa, Eslováquia, Roménia e outros países de Leste. Já via Pordenone, em Itália, a Garland movimenta carga de e para a Croácia e a Sérvia.

Desde setembro, a Garland Transport Solutions disponibiliza um serviço de transporte terreste em “round trip”, através da sua parceria com a NTG, que recentemente adquiriu o Swiss Gondrand Group, cuja relação com a Garland, a partir de Hagen, uma cidade localizada na Renânina do Norte-Vestfália, era já longa. A NTG encarrega-se do transporte de mercadorias de Ense para Portugal e a Garland pelo de sentido contrário.

Em Itália, a fusão entre a Nuova Transports e a Cesped, ambas agentes da Garland Transpor Solutions, permitiu incrementar os serviços, sendo disponibilizadas linhas regulares de Pordenone, Verona, Reggio Emilia/Bolonha e Milão. Este ano, aumentarão os serviços de exportação a partir de Portugal, bem como se tentará implementar um serviço regular de Turim. “O plano para 2019 é consolidar os mercados de sempre, como Inglaterra, Suécia, Suíça, Bélgica, Alemanha, Itália e Espanha e crescermos em países em que queremos reforçar os nossos serviços, como é o caso de França”, adianta Jorge Rocha, diretor de Customer Service da Garland Transport Solutions, sublinhando que o sector têxtil, onde a empresa tem uma presença relevante, sobretudo no transporte de carga pendurada, continuará a ser uma grande aposta.

Outro mercado em que a Garland Transport Solutions pretende crescer em 2019 é no transporte de contentores a granel, sendo que, atualmente, movimenta entre cinco e sete mil contentores por ano.

Sobre o Brexit, a empresa liderada por Bruce Dawson não está preocupada, até porque o mercado inglês não é o mais importante em termos de movimentação de carga de e para Portugal. De qualquer modo, traçou um plano de ação no caso de se verificar a saída do Reino Unido da Europa sem acordo, o qual passa por continuar a assegurar as necessidades dos clientes em colaboração com o parceiro PSL Freight. Com escritório e operações no porto de Dover há mais de 40 anos e uma operação de 24 horas por dia, sete dias por semana, a PSL Freight tem uma vasta experiência em procedimentos alfandegários, nomeadamente em toda a documentação de exportação e importação, prestando ainda serviços nos restantes portos por intermédio de documentação eletrónica.

Publicidade

Publicidade

O que esperar do setor da logística em 2019?

Cerveja IPA da BARONA conquista ouro em Barcelona