agrícolas
in ,

Mercados agrícolas da União Europeia continuam a ser afetados pela guerra na Ucrânia

As consequências da invasão russa da Ucrânia continuam a afetar os mercados mundiais de produtos básicos e representam uma grande ameaça à segurança alimentar global, de acordo com a edição de verão  do relatório da Comissão Europeia com as perspetivas, a curto prazo, para os mercados agrícolas da União Europeia.

Assim, o relatório aponta que a produção total de cereais da União Europeia deverá atingir 286,4 milhões de toneladas, 2,5% inferior à época de 2021/22. Além disso, os preços dos cereais permanecem muito elevados e voláteis, devido à incerteza sobre o nível global de oferta causada pela guerra, o que agravou ainda mais os elevados preços da energia e dos fertilizantes e a procura de alimentos pós-Covid.

Quanto às exportações de cereais da União Europeia, espera-se que aumentem 14% em comparação com 2021/22, compensando parcialmente a redução das exportações mundiais causada pelo bloqueio dos portos marítimos ucranianos e pelas restrições à exportação impostas por alguns exportadores.

 

Azeite, vinho e fruta

Por outro lado, o relatório revela que a produção de azeite continuou a sua recuperação, com um aumento de 11%, atingindo quase 2,3 milhões de toneladas. Espera-se uma recuperação na utilização interna, enquanto as exportações poderão permanecer abaixo do nível recorde da época passada. No entanto, a falta de precipitação e, consequentemente, de água de irrigação em algumas regiões em crescimento em Espanha e Itália, juntamente com uma alternância semestral em Portugal, poderá levar a um declínio na colheita de azeite da União Europeia em 2022/23 (a partir de outubro), embora se espere alguma recuperação na Grécia.

Quanto à produção de vinho em 2021/22, o relatório estima que irá diminuir em 3%, para 153 milhões de hectolitros, regressando à média a longo prazo antes da pandemia de Covid-19. O consumo, afetado pelas medidas sanitárias, também está a normalizar. Ao comprar vinho, os consumidores consideram cada vez mais a origem em primeiro lugar, mesmo que isso signifique um preço mais elevado, seguido do sabor e da marca.

O consumo per capita de pêssegos e nectarinas frescos na União Europeia, em 2022, aumentará para 6,1 quilogramas (ainda abaixo da média a longo prazo), apesar do menor poder de compra.

 

Laticínios

Os preços dos lacticínios na União Europeia estão em níveis recorde. Apesar disso, as margens das explorações agrícolas permanecem apertadas, devido aos elevados custos dos fatores de produção (alimentação e energia em particular) e logística. Uma vez que as perspetivas meteorológicas para as pastagens continuam negativas, as entregas de leite da União Europeia poderão cair 0,6%, em 2022.

Entretanto, a produção de queijo poderá crescer 0,5%, graças aos preços competitivos no mercado mundial, o que recentemente resultou num aumento dos fluxos para os Estados Unidos da América, bem como na recuperação das exportações para o Reino Unido.

 

Produtos de carne

No mercado da carne, espera-se que a produção de carne de bovino da União Europeia diminua em 2022, apesar dos preços elevados. Isto deve-se, principalmente, a um declínio do efetivo de vacas causado por uma reestruturação do sector. Para o ano inteiro, espera-se que as exportações de carne de bovino cresçam 4%, impulsionadas por mercados de alto valor, como o Canadá, o Japão e o Reino Unido.

Por outro lado, o relatório salienta que o aumento das medidas relacionadas com o ambiente, a redução das perspetivas de exportação, os elevados custos sustentados dos fatores de produção e a peste suína africana (PSA) estão a conduzir a uma queda esperada de 4,7% na produção de carne suína em 2022. O Reino Unido é novamente o principal destino de exportação da União Europeia, agora que a crise aguda da PSA está contida.

O sector avícola enfrenta uma época de epidemia de gripe aviária altamente patogénica (GAAP) de magnitude histórica. Desde outubro de 2021, 21 países da União Europeia têm sido afetados por surtos de GAAP. Os elevados custos das matérias-primas estão também a afetar o sector. Por conseguinte, a produção avícola da União Europeia permanecerá estável, em 2022, apesar dos preços elevados dos frangos. O comércio com o Reino Unido regressou aos níveis pré-Brexit.

Finalmente, o relatório assinala que, apesar do nível historicamente baixo dos rebanhos de ovinos e caprinos na União Europeia, espera-se que os abates se estabilizem em 2022. O comércio deverá ser retomado, mas ainda a níveis relativamente baixos, levando a preços domésticos elevados e sustentados.

 

TikTok

TikTok desiste do “live commerce” no ocidente

Brico Depôt Portugal

Brico Depôt Iberia abre marketplace em Portugal